11:41 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    0140
    Nos siga no

    A agência de notícias Rossiya Segodnya promoveu nesta quinta-feira, 8, em Moscou, o encontro “Para a Criação de um Espaço de Informação Comum aos Países BRICS”. O participante Gilberto de Souza alertou, no fórum, para o domínio das grandes corporações na mídia brasileira.

    Diretor e editor-chefe do jornal “Correio do Brasil”, Gilberto Souza saudou o jornalista Dmitry Kiselev, diretor-geral da Rossiya Segodnya e presidente do encontro midiático, cumprimentou os demais participantes e fez a palestra que intitulou de “Tempo para a Democracia às Novas Mídias”.

    A seguir, a íntegra da fala do jornalista brasileiro em Moscou:

    “O mundo mudou desde que os jornais eram impressos em rotativas, depois empacotados, carregados em caminhões, descarregados nos centros de distribuição, novamente transportados até o ponto de venda e de lá, enfim, entregues aos assinantes. O processo entre a edição da notícia e sua chegada aos leitores era uma indústria pesada, com elevado número de trabalhadores, maquinário, instalações, infraestrutura, logística e muito investimento financeiro.

    “Hoje, o processo de transformação deste setor já se encontra avançado. A grande maioria dos jornais diários conta com edições digitais e produz um noticiário específico, mais adequado aos interesses de cada leitor. No Rio de Janeiro, sede do jornal “Correio do Brasil”, era impensável chegar a cerca de 150 mil leitores por dia, neste início de século, sem uma estrutura que envolvesse um parque gráfico de boas proporções e um intrincado departamento de distribuição.

    “Como afirmei, anteriormente, tudo mudou. Em 2012, há apenas três anos, portanto, realizamos uma pesquisa junto aos nossos assinantes e constatamos que 97% preferiam receber a Edição Digital, por um preço menor, segundos após o fechamento, no horário vespertino. Era isso ou esperar perto de duas horas e pagar um preço mais elevado pelo exemplar impresso. Asseguramos que os 3% fiéis ao passado continuem a receber as notícias impressas em papel, mas já não renovamos mais estas assinaturas. A tendência é que, em breve, 100% do nosso público leia o “Correio do Brasil” nos tablets, celulares, desktops e outros dispositivos, deixando para trás milhões de árvores cortadas, toneladas de tinta e nenhuma saudade.

    “Há muito, percebemos uma transformação inexorável na forma como distribuir a notícia. Trata-se de um processo e, como todo processo, seguimos adiante com a certeza de que a qualidade do conteúdo e a credibilidade da marca devem ser preservadas e respeitadas, como valores pétreos de uma empresa jornalística. Mas o que hoje é dito assim, com tamanha clareza, ainda não chegou aos centros decisórios sobre a aplicação dos recursos publicitários – seja das empresas, seja da esfera governamental.

    “Por razões inteiramente políticas, em uma demonstração cabal de força bruta, estabeleceu-se no Brasil um conjunto de apenas cinco grandes empresas que, sozinhas, captam mais de 90% de cada centavo aplicado em publicidade, tanto no poder público quanto no setor privado. Esta prática tem sido combatida, com vigor, pela sociedade civil organizada. Trata-se, porém, de uma tarefa digna de Hércules reverter uma rotina secular, com raízes profundas na luta de classes e sustentada por verdadeiras fortunas, amealhadas ao longo dos regimes ditatoriais que mancham a história do meu país e do continente latino-americano.

    Participantes do Fórum dos principais órgãos de comunicação dos Estados-membros do grupo BRICS
    © Sputnik / Arti Soni
    Participantes do Fórum dos principais órgãos de comunicação dos Estados-membros do grupo BRICS

    “Sozinhos, vamos demorar ainda mais para fazer frente à velha indústria da notícia e construir uma mídia ampla e democrática. No futuro, contaremos com um número cada vez maior de profissionais independentes, sem vínculos com a matriz do capital internacional e seus interesses, muitas vezes escusos e questionáveis à luz da ética e dos mais altos valores sociais que regem o exercício do jornalismo.

    “Precisamos unir forças, em nível internacional, contra a dominação de um segmento decisivo para a sociedade, a exemplo do que ocorre na América Latina. É aqui, no grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o fórum adequado para a iniciativa de se promover esta união por uma mídia democrática e independente. Apenas o fato de se iniciar um diálogo desta envergadura, neste fórum de alto nível, já é motivo para que percebamos, todos, que o mundo mudou. E continuará mudando, com o fortalecimento da democracia e das novas mídias”.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    China propõe que BRICS reforce o combate à imigração ilegal
    Opinião: Espaço de Informação dos BRICS cria mídia mais democrática e mais social
    Espaço de mídia dos BRICS vai preservar diversidade e fornecer informação plural
    Países BRICS trabalham por um mundo sem hegemonias
    Tags:
    Brasil, Rússia, Moscou, China, Índia, África do Sul, Dmitry Kiselev, BRICS, Rossiya Segodnya, Correio do Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar