04:17 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    35265
    Nos siga no

    A Presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (16) que qualquer tentativa de retirá-la do Palácio do Planalto ou abreviar seu mandato é golpe. Na véspera, o Deputado Federal Paulo Pimenta (PT-RS) tinha acusado a oposição liderada por PSDB e DEM de assumir abertamente a bandeira do golpe para chegar à Presidência da República.

    Líder do Governo na Comissão de Orçamento e vice-líder da bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, o Deputado Paulo Pimenta concedeu entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, explicando a indignação de seu discurso no Plenário do Congresso Nacional.

    Segundo o deputado, a data de 15 de setembro marca a oficialização, por parte da oposição, da tentativa de construir um processo golpista no Brasil.

    “Na sessão, o líder do Democratas, Deputado Mendonça Filho, apresentou uma questão de ordem, perguntando ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, quais são os prazos e o rito utilizado na análise dos pedidos de impeachment da presidente. Portanto, foi formalizada na sessão, por parte do líder dos Democratas, a intenção de promover um processo de impeachment, fato que até então vinha sendo tratado com cautela ou mesmo negado.”

    Para Paulo Pimenta, todo esse processo é uma manobra articulada da oposição, que aguarda a deliberação de Eduardo Cunha, mesmo que de maneira contrária a qualquer um dos 17 pedidos de impeachment, para recorrer ao plenário da decisão do presidente da Câmara.

    “O jogo combinado é exatamente esse. O presidente nega o pedido de impeachment e o requerimento da oposição no Plenário, previsto no regimento como se fosse uma questão de ordem, recorre da decisão do presidente ao Plenário. O ato dos Democratas ontem [15] foi exatamente o sinal para o Parlamento e para a sociedade de que está em curso o processo de tentativa de abreviar o mandato da presidente.”

    O deputado explicou que a sua manifestação após a ação da oposição foi em nome da bancada do Partido dos Trabalhadores, como uma forma de responder que o PT não vai admitir nenhuma hipótese de golpe.

    “Seja no Parlamento, seja nas ruas, em todo o Brasil, nós não vamos admitir qualquer tentativa golpista. Não me surpreendeu que esta questão tenha sido encaminhada pelo líder dos Democratas. Os Democratas, como todos sabem, são o antigo PFL, que por sua vez é um partido originário lá da antiga Arena, partido que sustentou o golpe e a ditadura militar no Brasil.”

    Segundo o parlamentar, não há dúvidas sobre as intenções dos setores conservadores da política brasileira, mas ele garante que não será uma tentativa de golpe que vai tirar a Presidenta Dilma do lugar concedido pela soberania do voto popular.

    “Queremos de maneira vigorosa, cristalina, dizer à sociedade brasileira que não será uma ação golpista como essa que vai desfazer aquilo que de maneira soberana e democrática a população brasileira fez, quando elegeu com mais de 54 milhões de votos a Presidenta Dilma, a nossa presidente. Está aberto o debate sobre o impeachment, agora de maneira oficial, e nós apresentamos de maneira bastante transparente a nossa disposição de lutar em todos os campos, sejam eles jurídicos, parlamentares ou na rua, contra qualquer tentativa nessa direção.”

    Durante a entrevista para a Sputnik Brasil, o Deputado Paulo Pimenta disse que mantém categoricamente as palavras proferidas por ele no Plenário sobre o Partido dos Democratas:

    “Não gostam de ser chamados de golpistas, mas querem rasgar a Constituição. São os filhos da ditadura que não se conformam em ter perdido nas urnas para um operário, como Lula, e para uma mulher, como Dilma.”

    O Deputado Pimenta disse ter convicção de que a inciativa descrita por ele como autoritária, por parte da oposição, não terá eco na sociedade, e que também dentro do Parlamento haverá uma maioria sólida não em defesa do Governo, mas em defesa da democracia.

    “O que está em discussão, em jogo, não é o Governo da Presidenta Dilma, mas sim a Constituição Brasileira, os princípios fundamentais que regem o Estado Democrático deste país, conquistado duramente após o duro período da ditadura militar. É exatamente o Partido da Ditadura, aqueles que estiveram presentes no Golpe de 1964, que mais uma vez se apresentam à sociedade brasileira com a sua sanha autoritária e golpista para tentar rasgar a Constituição de maneira antidemocrática e ilegal, buscando abreviar o mandato da presidente legitimamente eleita.”

    Sobre as especulações de que a Presidenta Dilma pode convidar o ex-Presidente Lula para assumir um de seus ministérios, o Deputado Paulo Pimenta afirmou que o ex-presidente é um brasileiro preparado política e tecnicamente para estar à frente de qualquer pasta do Governo brasileiro, mas não acredita na possibilidade agora de Lula integrar a equipe de Dilma. O deputado acredita que Lula não está no Governo atualmente por uma decisão dele.

    “Ele sabe da sua autoridade, sabe da sua responsabilidade e dimensão política de entender o momento político em que nós vivemos e a necessidade de que a presidente tenha liberdade de fazer os movimentos políticos que entende mais adequados. Agora, a conjuntura sempre é um processo muito dinâmico, muito intenso, a Presidenta Dilma e o Presidente Lula têm um diálogo permanente, de alto nível, como estadistas que são, mas não creio que neste próximo período, pelo menos, o ex-presidente venha a integrar o Governo. As tarefas que ele tem a cumprir, inclusive hoje, estão muito além das fronteiras do Brasil, como grande líder político que é.”

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Cardozo: não há cabimento jurídico para impeachment de Dilma
    Governos sul-americanos se solidarizam com Dilma contra o impeachment
    “A ideia do impeachment perdeu força, e tenho dúvidas se seria adequada no momento”
    Opinião: há consenso na oposição para impeachment?
    Tags:
    impeachment, golpe de Estado, PSDB, DEM, Congresso Nacional, PT, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, Eduardo Cunha, Mendonça Filho, Paulo Pimenta, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar