23:00 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Notas de real

    Febraban não vê impacto do rebaixamento da S&P na demanda por crédito

    USP Imagens
    Análise
    URL curta
    131

    O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, não vê impacto do rebaixamento do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor's, na semana passada, na demanda da população por crédito. Atualmente, o apetite por tomar recursos, conforme ele, está fraco como reflexo do desempenho da atividade econômica.

    Portugal preferiu não se manifestar sobre a implementação das medidas de ajuste fiscal anunciadas na segunda-feira, 14, pelo governo, nem sobre a possibilidade de outras agências retirarem o selo de bom pagador do Brasil. "Eu não vou especular sobre as decisões das outras agências", disse o presidente da Febraban.

    Hoje, a Federação disse, em nota, que entende que as medidas anunciadas pelo governo refletem o seu compromisso em promover o equilíbrio fiscal, condição indispensável para abrir caminho à retomada do "desejado" crescimento da economia do País e que compreende a necessidade de complementar o corte das despesas com medidas temporárias de aumento de tributos. E acrescentou que o corte de despesas em R$ 26 bilhões emite uma sinalização importante para o restabelecimento da confiança dos agentes econômicos e a retomada futura dos investimentos, mas que o caráter temporário da CPMF deveria ser combinado com alíquotas declinantes ano a ano para reduzir os efeitos distorcivos da taxação sobre a intermediação financeira.


    Mais:

    Parlamentares da base e de oposição discutem sobre novo pacote de medidas do Governo
    Tags:
    finanças, crédito, economia, CPMF, Febraban, Murilo Portugal, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar