00:58 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff e Lula durante o 5º Congresso Nacional do PT, em Salvador

    Opinião: Mídia internacional não pode influir numa questão interna como o impeachment

    Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
    Opinião
    URL curta
    7612193

    “Questões nossas, do Brasil, devem ser tratadas internamente”, afirma o mestre em Ciências Ricardo Ismael, da PUC-Rio, a propósito do editorial do jornal britânico “Financial Times” dedicado à possibilidade de impeachment da Presidenta Dilma. O professor falou com exclusividade à Sputnik Brasil.

    O Governo da Presidenta Dilma Rousseff entregou ao TCU – Tribunal de Contas da União, na quarta-feira, 22, um relatório com cerca de mil páginas contendo os seus argumentos diante das acusações de “pedaladas fiscais”, a forma popular como ficaram conhecidas as manobras, das quais o Governo é acusado, de utilizar as verbas do Orçamento de 2014. 

    Estas “pedaladas fiscais”, se de fato vierem a ser rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União, serão também apreciadas pelo Congresso Nacional. Para as oposições, o parecer contrário do TCU poderá ensejar a formalização de um pedido de impeachment contra a presidente, com base na Lei de Responsabilidade Fiscal.

    Mas, para o mestre em Ciências Políticas Ricardo Ismael, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, a questão do impeachment contra a presidente deve ser tratada com prudência e cautela. Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, Ricardo Ismael observou:

    “As oposições – especialmente os líderes do PSDB, como Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves, José Serra e Geraldo Alckmin, e ainda Marina Silva, que está organizando o seu partido, Rede – estão tratando a questão como ela deve ser tratada, com toda cautela e prudência. Remover alguém da Presidência da República é um fato muito grave, que depende de sérias razões juridicamente comprovadas para ser efetivada. E, até o momento, não há nenhuma evidência jurídica contra a presidente da República. Em questões de impeachment, há muito clamor público, há muita excitação política, mas fatos jurídicos e concretos ainda não há, no caso de Dilma Rousseff.”

    No mesmo dia em que o Governo apresentou suas explicações junto ao Tribunal de Contas da União, o jornal britânico “Financial Times” antecipou em sua página na Internet um dos editoriais de sua edição impressa desta quinta-feira, 23. Sob o título “Recessão e politicagem: a crescente podridão no Brasil”, o editorial afirma que a “incompetência, arrogância e corrupção abalaram a magia” do país. O jornal diz ainda que os recentes fatos levam o Brasil a ser comparado com um “filme de terror sem fim” e que, diante do risco de impeachment da Presidenta Dilma Rousseff, “tempos piores ainda podem estar por vir”. 

    Para Ricardo Ismael, o editorial do “Financial Times” também deve ser analisado com reservas: “Não será um editorial de jornal, seja mídia nacional ou internacional, que conduzirá a um processo de impeachment. Primeiramente, trata-se de questões nossas, do Brasil, que devem ser tratadas internamente. Em segundo lugar, reitero o que disse antes: impeachment é uma questão muito séria que precisa de sólidos argumentos jurídicos e factuais para ser proposta. Então, não se pode falar em impeachment de forma precipitada. Não creio que este processo venha a ser formalizado e, se vier, não será para tão já. Mais do que nunca, é preciso ter muita cautela e muita prudência com todas estas argumentações.”

    Mais:

    Dilma Rousseff tem pior avaliação desde FHC
    Dilma e Lula discutem medidas para combater a impopularidade
    Governo apresenta ao TCU defesa das contas federais de 2014
    Tags:
    impeachment, Financial Times, Congresso Nacional, TCU, PSDB, PUC, José Serra, Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves, Marina Silva, Geraldo Alckmin, Dilma Rousseff, Ricardo Ismael, Rio de Janeiro, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik