02:41 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Noam Chomsky

    Noam Chomsky sobre guerra midiática global: “há uma batalha pela Internet”

    © flickr.com/ Andrew Rusk
    Opinião
    URL curta
    11912150

    Quando os grandes meios de comunicação definem a agenda e a percepção pública, torna-se cada vez mais importante compreender o papel da guerra de informações na mídia corporativa. A Sputnik falou com um dos maiores pensadores contemporâneos para discutir o assunto: o linguista, filósofo e ativista político norte-americano Noam Chomsky.

    Professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), ele se define como um socialista libertário e é responsável por uma extensa contribuição ao debate sobre as tendências globais da mídia. Na entrevista a seguir, ele recupera grande parte dos argumentos que vem defendendo nos últimos anos, expressos em uma entrevista à Canadian Broadcasting Corporation em 1995. 

    Sputnik: a midiatização é um fenômeno antigo, mas lento. Ela basicamente define o papel da mídia na criação de agendas e, depois, permite que o establishment político a siga. Ela também intervém no processo de tomada de decisão da sociedade civil e dos políticos. Como esse processo de midiatização vai influenciar a política e a sociedade nos próximos dias/anos?

    Noam Chomsky: Depende de como pessoas como eu e você reagirem — uma questão para a ação, não para a especulação. Bem, você não pode caracterizar isso em uma frase. É complicado. Mas, para uma espécie de primeira aproximação, a mídia se comporta exatamente como você esperaria que as instituições desse caráter se comportassem. Tome, digamos, a mídia comercial. Trata-se de grandes conglomerados, grandes corporações, muito rentáveis, partes de conglomerados ainda maiores e, como você diz, passando agora para estágios de megafusão.

    Eles [a mídia comercial, os grandes conglomerados] têm um produto, a saber, um público. Eles o vendem para um mercado, a saber, os anunciantes.

    A grande mídia – como o New York Times e o Washington Post, aqueles que meio que definem a agenda para os outros – ela é direcionada para setores privilegiados da população, setores de tomada de decisão, setores administrativos, gestores culturais, e assim por diante. Então, trata-se de enormes negócios rentáveis vendendo públicos privilegiados para outras empresas. Bem, que tipo de imagem de mundo uma pessoa sã esperaria surgir dessa interação? Não é difícil descobrir.

    S: Estamos vivendo em um mundo cada vez mais conectado e em um mundo transparente? A mídia – especialmente os meios noticiosos – está vivendo sob imensa pressão para colocar a informação primeiro entre os seus consumidores de notícias. Este e vários outros fatores levaram a uma guerra de informação. Você poderia, por favor, elaborar este tema um pouco mais com algum exemplo atual?

    NC: Só posso direcioná-lo para o que eu escrevi sobre o assunto, que foi bastante. Se os múltiplos canais de televisão apenas se transformam em mais e mais vias para as mesmas organizações tirânicas levarem a cabo suas agendas… A agendas delas é muito clara: você pode lê-la nos manuais da indústria de relações públicas, onde eles são bastante francos sobre isso e têm sido há muito tempo. A agenda delas é realizar o que o principal guru da indústria de RP, Edward Bernays, anos atrás chamou de manipulação consciente e inteligente dos hábitos organizados e da opinião das massas, que ele considerava ser um elemento central da democracia. Ele não era, aliás, nenhum reacionário. Ele era um liberal Kennedy-Roosevelt, altamente respeitado em Cambridge. E o que ele estava apresentando – isto calhou de ficar no manual principal da indústria de RP, mas refletiu atitudes intelectuais generalizadas – significa criar desejos artificiais, atomizar as pessoas, separá-las umas das outras, certificar-se de que elas não nos perturbem, pessoas importantes na arena política, transformá-las em átomos isolados de consumo, obedientes, tendo as opiniões 'certas' que não nos incomodem, e devidamente jingoístas [partidários de doutrinas ultranacionalistas e belicosas] e apoiadoras do poder. Esta é a agenda. E eles ficam felizes em te falar isso. E eles gastam enormes quantias de dinheiro com isso. Bem, se é isso em que os 500 canais se transformam, [trata-se] apenas de outra técnica de coerção.

    S: Que tipo de medo as celebridades midiáticas enfrentam em termos de seu sucesso e sustentabilidade como estrelas ou ícones entre seu público-alvo ou em um ambiente midiatizado? E, em sua opinião, o que é mais importante para o sucesso de uma entidade midiática: um ideal jornalístico de status de celebridade ou as notícias?

    NC: Não preste muita atenção a estrelas e ícones. E existem, a essa altura, milhares de páginas de documentação bastante sólida que mostrando que o que você espera, você recebe. Não surpreende. Em premissas de mercado livre mais ou menos mínimas, isto é basicamente o que você esperaria. O interesse do trabalho é mostrar que a expectativa não só é verificada, mas é esmagadoramente verificada. Por outro lado, existem fatores conflitantes, então se você olhar mais de perto, você descobrirá que há muitos jornalistas que têm plena integridade profissional e honestidade e querem chegar à verdade. Alguns deles, aliás – alguns dos mais conhecidos deles – são ainda mais cínicos a respeito da mídia do que eu, mas encontram formas de trabalhar entre eles [e] e muitas vezes se comprazem com coisas bastante importantes. 

    Outro fator conflitante é que a grande mídia – digamos, a mídia nacional, aqueles que eu mencionei – tem uma espécie de contradição interna, do mesmo modo que têm as escolas e as universidades. Quero dizer, por um lado ela tem uma espécie de função de doutrinação e é real. Por outro lado, ela tem a responsabilidade de apresentar a pessoas importantes – pessoas que fazem grandes decisões –, de oferecer a elas uma imagem toleravelmente realista do mundo. E essas duas demandas entram em conflito. Você vê isso muito dramaticamente em um jornal como o Wall Street Journal, que tem algumas das melhores reportagens no país [EUA] porque seu público deve sabe quais são os fatos se estiver, você sabe, interessado em fazer dinheiro e coisas do tipo. Por outro lado, quando você passa para as páginas editoriais, não chega a ser nem uma piada de quadrinhos.

    S: Em que direção a guerra midiática está levando? Será que ela vai dar um impulso à mídia de notícias em termos de bom conteúdo ou vai piorar em termos de valor de notícia?

    NC: Mais uma vez, depende de pessoas como nós. Depende de como ela é usada.

    A tecnologia é geralmente bastante neutra. Ela não se importa se você a usa para coagir ou para libertar e liberar as pessoas. E toda a tecnologia de comunicações, da imprensa ao rádio, à televisão e à Internet, tem potencial coercitivo e tem potencial libertador. Depende de quem está no comando.

    Se for democraticamente gerida e controlada, ela pode refletir os interesses públicos e servir aos interesses públicos. Se for privatizada, colocada sob o controle de tiranias privadas – ou de Estados totalitários e assim por diante – que não apenas ignoram a vontade pública, mas também não incentivam – de fato, desencorajam – a participação pública, bem, então, vai ser algo completamente diferente. Depende de qual caminho ela toma. Neste momento, há uma batalha pela Internet. E também pelos múltiplos canais [de televisão].

    Mais:

    Abu Dhabi lança centro para combater a propaganda do Estado Islâmico
    WikiLeaks: EUA pressionam Hollywood a fazer propaganda anti-Rússia
    Casa Branca cria ferramentas de mídia para defender acordo nuclear com Irã
    Governo, mídia e população de Israel divergem sobre acordo do programa nuclear do Irã
    Mídia alemã acusa Merkel de hipocrisia em relação à Grécia
    Rússia lançará 672 satélites para serviço global de internet
    Tags:
    Internet, jornalismo, relações públicas, informação, celebridades, rádio, televisão, imprensa, corporações, mídia, guerra informacional, guerra midiática, guerra de informações, MIT, Edward Bernays, Noam Chomsky, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik