03:47 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    BRICS: organização do futuro (189)
    0 210
    Nos siga no

    Durante o encontro de representantes dos BRICS para assuntos de segurança, em Moscou, o secretário-executivo do Conselho de Segurança da Federação Russa, Nikolai Patrushev, acusou as instituições financeiras do Ocidente de promover a saída de mais de US$ 3,5 trilhões dos BRICS nos últimos 10 anos. O economista Theotônio dos Santos comentou.

    O Secretário Nikolai Patrushev declarou: "O Ocidente usa cada vez mais as instituições financeiras internacionais como instrumento de pressão. Nos últimos 10 anos, a saída de capital das economias dos BRICS foi igual a pelo menos US$ 3,5 trilhões. Mais da metade deste montante saiu durante os últimos três anos."

    Para o economista Theotônio dos Santos, professor da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, este montante se refere ao pagamento dos juros da dívida externa dos países BRICS. 

    “Ao emprestar dinheiro para países fortemente endividados”, comentou o Prof. Santos, “as grandes corporações internacionais do Ocidente estabelecem sistemas de pagamento draconianos, o que consome boa parte de suas riquezas. Daí, os valores apontados pelo Secretário Patrushev. São pagamentos em volumes gigantes, os quais os países não podem se negar a honrar, diante das imposições demonstradas pelas instituições credoras.”

    Segundo Nikolai Patrushev, os BRICS são capazes de opor algo à infraestrutura financeira internacional vigente, tendo o FMI – Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial como seus pilares. A opção do grupo integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul é dupla: a sua proposta inclui o Novo Banco de Desenvolvimento e o Arranjo Contingente de Reservas, instituições destinadas a ajudar os países emergentes. O secretário do Conselho de Segurança da Rússia destacou ainda o crescente papel dos BRICS como um grupo internacional com grande potencial.

    Para o Professor Theotônio dos Santos, Patrushev está coberto de razão: “Concordo inteiramente com os argumentos do Secretário Patrushev. Vejam o exemplo da China, que investiu em Fundo Soberano, fortaleceu as suas instituições financeiras e demonstrou forças suficientes para atrair o interesse de outros países em investir e acreditar nestas instituições. É isso o que os países BRICS devem fazer, fortalecer a si mesmos e as duas instituições que estão criando, o Novo Banco de Desenvolvimento e o Acordo Contingente de Reservas.”

     

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    BRICS: organização do futuro (189)

    Mais:

    BRICS planejam reforçar cooperação econômica e na área da segurança
    Participação brasileira no Banco e no Fundo dos BRICS só depende do Senado
    Opinião: BRICS não dão vez aos EUA na América Latina
    Embaixador do Brasil na Rússia destaca conquistas dos BRICS em VII Fórum Acadêmico
    Tags:
    Brasil, Rússia, China, Índia, África do Sul, Nikolai Patrushev, Theotonio dos Santos, BRICS, FMI, Novo Banco de Desenvolvimento, Banco Mundial, Arranjo Contingente de Reservas, UERJ, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar