15:46 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Vista do Kremlin de Moscou

    Opinião: Rússia é um subestimado tesouro de oportunidades

    © Sputnik/ Evgeniya Novozhenova
    Opinião
    URL curta
    0 2699402

    A economia russa deixou o estado de pânico que viveu ultimamente, escreve um dos principais provedores mundiais de informação para o mercado financeiro, a Bloomberg.

    A publicação fez lembrar que na semana passada o volume das reservas do Banco Central russo aumentou pela primeira vez desde julho do ano passado. Segundo a Bloomberg, este fato pode convencer os governos ocidentais de que as sanções econômicas contra a Rússia não afetam o país de forma significativa e que ela não está perante um colapso iminente.

    Este ano a moeda nacional, o rublo, está se reforçando gradualmente, o que pode ser explicado pelo aumento dos preços de petróleo e pelo fato de que a Rússia se tornou um lugar atraente para operações com ativos em moeda estrangeira após a redução da taxa de juros  de 17% para 14%.

    Note-se que, durante a semana de 16 a 20 de março, o euro aumentou 3% em relação ao dólar norte-americano, o que resultou no aumento do volume de reservas cambiais russas em US $ 1,2 bilhão.

    Neste ponto, segundo a Bloomberg, o mercado-chave da Rússia se estabilizou em um nível aceitável.

    A Bloomberg enfatizou também a importância da gestão feita pelas entidades financeiras da Rússia, especialmente o Banco Central e o Ministério das Finanças. Em uma situação bastante difícil, eles conseguiram evitar erros grosseiros e salvar a aberta economia russa. A publicação sublinhou que a Rússia continua a ser uma das principais economias do mundo, que não pode ser destruída com meras restrições comerciais e financeiras.

    Este fato, segundo a Bloomberg, torna a Rússia um “tesouro de possibilidades subestimadas”.

    Mais:

    Ucrânia pede que UE mantenha sanções para pressionar Rússia
    Putin fala sobre as consequências das sanções impostas à Rússia
    Sete países da UE devem se opor às novas sanções contra a Rússia
    UE manterá sanções contra Crimeia e apela aos países-membros da ONU para se juntarem
    Tags:
    economia, sanções, Bloomberg, União Europeia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik