18:19 04 Dezembro 2016
Ouvir Rádio
    O encontro dos chefes das delegações dos países-membros do BRICS

    Segurança econômica e cibernética serão temas-chave da agenda do BRICS em 2015

    © Sputnik/ Alexander Vilf
    Opinião
    URL curta
    Vladimir Kultygin
    0 36861

    O ano de 2015, sob a presidência rotativa da Rússia, promete ser frutífero para o grupo BRICS.

    Em 2014, o Brasil, a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul, que compõem o grupo conhecido pela sigla BRICS, terminaram a criação do novo Banco de Desenvolvimento do grupo e o Arranjo Contingente de Reservas.

    Especialistas não são unânimes avaliando a eficiência do futuro funcionamento desses instrumentos financeiros, mas concordam que, em 2015, a economia será um dos assuntos principais da agenda do grupo.

    A cúpula dos chefes de Estado dos países-membros do BRICS terá lugar em 2015 na cidade russa de Ufa. Deste modo, a presidência rotativa passa do Brasil para a Rússia.

    De acordo com o diretor do Instituto da América Latina (IAL) da Academia das Ciências da Rússia, Vladimir Davydov, contatado pelo correspondente da agência Sputnik, o segundo assunto, cuja importância já se mostrou com clareza no ano em curso, será a segurança cibernética:

    “A Rússia já está coordenando a parte do conteúdo da cúpula dos BRICS em 2015. Há muito trabalho a realizar. Os elementos principais da agenda serão a segurança econômica e a segurança cibernética. Nós todos somos vítimas de manipulações, vítimas de uma guerra de informação e cibernética, que ameaça paralisar o sistema de administração dos países do BRICS.”

    O diretor do IAL acredita que o Banco do Desenvolvimento e o Arranjo Contingente das Reservas têm grande importância para o grupo, vários membros do qual tiveram índices preocupantes. Segundo ele, até a denominação “novo Banco do Desenvolvimento dos BRICS” aponta para um novo rumo de atividade econômica do grupo, que está pronto para “revelar solidariedade com outros países para lidar com este tempo turbulento”.

    Nem todos estão tão otimistas. A matéria de 26 de dezembro no Jornal do Comércio, do Rio Grande do Sul, prognostica possível recessão em 2015 nos principais países dos BRICS, o Brasil, a Rússia e a África do Sul. A Rússia ocupa a parte central da matéria, devido à recentequeda do rublo, que fez também o país integrar a lista dos “seis países que se deram mal na economia em 2014” da revista Exame.

    Já houve receios por parte de especialistas. O economista Raul Velloso afirmava em entrevista à emissora Voz da Rússia, em setembro, que o novo banco tem sentido para a China, mas para os outros países, inclusive o Brasil, a eficácia não é tão certa, porque a China tem maiores taxas de poupança. De acordo com o professor Velloso, “talvez melhor seria utilizar esses 10 milhões [de investimento que cada país dos BRICS contribui para o capital do novo banco] para financiar investimentos e infraestruturas”. E, antes de nada, definir todos os detalhes, afirma o economista.

    O professor Davydov, do IAL, ainda disse em entrevista que o ano de 2014 foi “um ano da América Latina”. Não só pela cúpula em Fortaleza, que fortaleceu o Brasil como acolhedor de eventos internacionais logo depois da Copa 2014, mas por ser a América Latina “uma zona de potencialidade de independência econômica e política”.

    A região foi, de verdade, um foco importante da agenda internacional em 2014. Falando do BRICS, é difícil se manter sempre no quadro dos cinco países que o compõem. Por exemplo, em julho, na cúpula, falou-se bastante sobre a possível futura adesão da Argentina (que finalmente foi eleita presidente do Mercosul, que foi uma resposta bonita ao default técnico do país anunciado pelo tribunal de Nova York). A Argentina, aliás, acordou com o Brasil, em 2008, realizar transações financeiras entre os dois países em moeda local. Semelhante sistema de pagamento em moeda local (SML) foi adotado para transações entre o Brasil e o Uruguai.

    A jornalista e professora na Universidade Estatal de Moscou Gelya Filatkina concorda com o doutor Davydov:

    "Em 2015, o BRICS irá desempenhar um papel estratégico nas condições da tensão internacional que observamos atualmente. Os países que formam parte da aliança possuem potencial suficiente e motivação de união mútua que favorece uma mudança da ordem mundial existente a todos os níveis, das relações internacionais ao sistema financeiro e econômico. Esta vantagem do BRICS será revelada especialmente em 2015, contrastando com a turbulência crescente do G8".

    Além disso, segundo a professora Filatkina, "a presidência da Rússia [no quadro do BRICS em 2015] permitirá a inclusão na agenda de novos temas importantes que podem dinamizar o funcionamento da união".

    No que toca à segurança cibernética, o assunto foi cobrando importância desde o escândalo de espionagem, começando por revelações de Snowden e se agudizando após a descoberta de escutas que serviços secretos estadunidenses faziam no Planalto brasileiro e no Bundestag alemão. Tanto que em novembro, a ONU aprovou o projeto conjunto brasileiro e alemão de privacidade de acesso à Internet.

    Tags:
    BRICS, Índia, China, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik

    Em foco