02:06 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Torcida russa em Moscou neste domingo, 1 de julho de 2018

    'Incidentes de discriminação na Copa foram reduzidos a quase zero', diz inspetor russo

    © Sputnik / Yevgeny Odinokov
    Jogos Olímpicos de Inverno de 2018
    URL curta
    0 30

    O ex-jogador da seleção russa e atual inspetor da Federação Russa de Futebol (RFS) para o combate à discriminação no futebol, Aleksey Smertin, declarou que os incidentes de discriminação na Copa do Mundo foram reduzidos a quase zero. Segundo ele, o crédito disso é em grande parte dos próprios torcedores.

    Anteriormente, a FIFA havia multado a Federação Russa de Futebol em 10 mil francos suíços por conta da demonstração de uma bandeira discriminatória dos torcedores durante a partida da fase de grupos da Copa do Mundo entre as seleções do Uruguai e da Rússia. 

    "Muitos esperavam uma quantidade muito grande de incidentes, mas na Copa do Mundo há um bom estado emocional, tudo acontecendo positivamente", comentou Smertin.  

    De acordo com o ex-jogador da seleção, o mérito deve ser creditado "ao comitê organizador do torneio, órgãos de segurança pública, os próprios torcedores russos e estrangeiros" pelo fato de que "os incidentes foram reduzidos a quase zero no contexto de um enorme número de torcedores na Copa do Mundo". 

    "Felicito todos nós por isso, esse é um bom resultado do nosso trabalho. É impossível evitar completamente tais incidentes, mas minimizá-los é a nossa tarefa", disse Smertin, comentando o caso da bandeira discriminatória no jogo entre Uruguai e Rússia.

    Mais:

    Suécia despacha Suíça e garante vaga nas quartas de final da Copa
    Confira recordes da fase de grupos da Copa
    Metrô de São Paulo exibe 'Prontidão Máxima!' da Rússia para Copa do Mundo de 2018
    Copa 2018: técnico da Bélgica diz que é preciso aceitar favoritismo brasileiro
    Tags:
    futebol, racismo, preconceito, discriminação, Copa do Mundo Rússia 2018, Aleksey Smertin, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik