22:09 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Urutu, que será repassado ao Bope, foi usado pela missão de paz brasileira no Haiti

    Agora o bicho pega: BOPE e Polícia Civil vão receber blindados do Exército

    Divulgação
    Notícias
    URL curta
    10133

    O Exército vai entregar nesta quarta-feira (27) seis blindados à Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, como parte do reforço e reaparelhamento da frota. Três Urutus serão entregues ao Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) e três “Caveirões” à Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE) da Polícia Civil.

    Os equipamentos, adaptados e potencializados, se somam assim à entrega, na semana passada, de 100 fuzis T4 e 100 mil munições calibre 466 à Polícia Militar, avaliados em R$ 1,5 milhão. 

    Os Urutus começaram a ser fabricados pela Engesa em 1974 e foram exportados para vários países da América Latina e do Oriente Médio. O veículo possui duas camadas de blindagem, é armado com uma metralhadora calibre 12,7 milímetros montada sobre o teto e pode transportar de 12 a 14 soldados totalmente equipados com acesso através de portas laterais e traseira. Ele foi usado com sucesso pelas Forças Armadas brasileiras durante as missões de paz da ONU (Minustah) no Haiti.

    O "Caveirão", oficialmente denominado  veículo blindado de transporte de pessoal, não é propriamente um veículo de combate, mas de apoio às operações. O apelido surgiu em decorrência da pintura do logotipo do BOPE nos veículos: uma caveira com uma adaga encravada e garruchas douradas cruzadas.

    Os "Caveirões" começaram a ser utilizados na África do Sul entre 1948 e 1994 como forma de repressão do regime segregacionista. Levantamento realizado pela Secretaria de Segurança do Rio revela que o uso desses blindados reduziu pela metade as mortes de policiais nas operações contra o crime organizado. Com peso de 10 toneladas, ele pode transportar até 13 homens e atingir velocidade máxima de 120 km/h. Os novos modelos resistem a explosões de minas e a tiros de fuzis de 7.62 mm, 12 mm e mesmo de calibre ponto 50. São dotados de câmaras externas e sistema de extintor automático.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Robson Rodrigues, coronel da reserva da Polícia Militar do Rio e pesquisador de segurança pública da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), elogia a doação dos blindados, mas observa que isso, por si só, não vai resolver os desafios que a intervenção federal no Rio tem pela frente.

    Com a experiência de quem comandou o Estado-Maior da PM no Rio e foi coordenador do trabalho de implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), Rodrigues é enfático:

    "Deveríamos não apenas receber recursos, mas ter um plano de reformulação das políticas de segurança pública. Uma das principais falhas da segurança pública é a falta de inteligência e os baixos índices de solução de crimes. Somente o equipamento sem incentivo à estratégia e sem uma liderança para executar esse plano pode piorar os índices de violência, inclusive a policial", analisa o coronel.

    O ex-chefe do Estado-Maior da PM explica que as principais diferenças entre os blindados doados pelo Exército dizem respeito às aplicações táticas e ao tipo de equipamento de cada um. Segundo ele, o Urutu é muito mais potente em termos de armamento e ação repressiva, enquanto o uso do "Caveirão" tem mais como objetivo proteger a vida dos próprios policiais. Rodrigues observa, porém, que o emprego desse blindado deve ser bem medido, uma vez que, por sua natureza, ele acaba se tornando alvo de tiros de grosso calibre, o que põe em risco a comunidade local. O oficial enfatiza que, mais do que receber equipamentos, o combate ao crime no Rio é muito mais amplo e abrange várias esferas. 

    Para Rodrigues, a decretação da intervenção federal teve conotação política que visou a fortalecer o cacife político do presidente Michel Temer, que agora admite concorrer à presidência nas eleições de outubro. Para o oficial, esse uso político por parte do então governador Sérgio Cabral foi o que determinou o fracasso das UPPs que se expandiram em demasia sem que fossem feitos os devidos estudos técnicos necessários. O risco da intervenção, segundo ele, é as ações não diminuírem os índices de criminalidade, o que criaria um sério sentimento de frustração por parte da população.

    "Não acredito que vamos ter condições de mexer nessas questões mais estruturais. Podemos ter aqui e ali alguma melhora pontual, mas esses problemas vão ser empurrados como foram pelo governo do Estado. Os generais e o Exército estão com uma encrenca muito grande. Na minha percepção, eles não estão muito à vontade nessa situação", finaliza o coronel Rodrigues.

    Mais:

    Violência extrema: Rio tem mais tiroteios do que horas no dia
    Aumento da violência no Rio faz cada vez mais estragos no comércio
    Tags:
    armamento, investimento, sociedade, violência, estratégia, segurança, Engesa, Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, PM, Polícia Civil, Exército Brasileiro, Robson Rodrigues, Sérgio Cabral, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik