13:37 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Contratorpedeiro USS Stethem (arquivo)

    China envia caças e navios militares para alertar embarcação dos EUA

    © flickr.com/ Official U.S. Navy Page
    Notícias
    URL curta
    859284637

    A China protestou contra a presença do contratorpedeiro USS Stethem no mar do sul da China neste domingo (2). Pequim acusa Washington de violar sua soberania.

    De acordo com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, o USS Stethem ultrapassou as águas territoriais chinesas nas Ilhas Xisha/Paracel no mar do sul da China.

    Por sua vez, Pequim "despachou navios militares e aviões de combate em resposta para alertar o navio dos EUA".

    A chancelaria chinesa exortou os EUA a "parar imediatamente esse tipo de operações provocativas que violam a soberania da China e ameaçam a segurança da China", acrescentando que Pequim continuará a tomar medidas para defender a sua soberania nacional.

    O mar do sul da China, onde ficam as Ilhas Xisha/Paracel, é uma região disputada por Brunei, China, Malásia, Taiwan, Filipinas e Vietnã — há suspeitas de que o local conta com vastos recursos energéticos. As autoridades chinesas reivindicam 90% da área e repetidamente afirmam que as atividades do país na região são um direito soberano de Pequim.

    Com frequência, os EUA realizam "operações de livre navegação" — colocar embarcações para circular dentro do limite de 12 milhas náuticas das ilhas do mar do sul e do leste da China. Pequim condena a atitude.

    Mais:

    Opinião: por que Pequim 'já venceu' a batalha no mar do Sul da China?
    China exige que EUA parem provocações no mar do Sul da China
    China reage mal à declaração dos líderes do G7 sobre a situação do Mar do Sul da China
    Tensões continuam: caças chineses intimidam aeronave dos EUA no Mar do Sul da China
    China alerta: navio de guerra dos EUA dever deixar as águas disputadas no Mar do Sul China
    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik