18:58 28 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Notícias
    URL curta
    270
    Nos siga no

    A Federação Única dos Petroleiros (FUP) aplaude a decisão da Assembleia do Rio de Janeiro (Alerj) de abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o desmonte da Petrobras e a venda de ativos depois da assunção de Pedro Parente à presidência da empresa, e defende que as investigações devam ser feitas também a nível nacional.

    A criação da CPI, anunciada na quinta-feira (22), terá 90 dias para concluir os trabalhos, prorrogáveis por mais 60 dias. O deputado Paulo Ramos (Psol), que vai presidir a comissão, diz que o objetivo é apurar se a venda de ativos da estatal preenche as normas legais e atende aos interesses econômicos do estado. "O Estado do Rio tem na Petrobras uma presença determinante para sua economia e, depois de tudo o que aconteceu com a Operação Lava Jato e o que ainda está acontecendo, vemos que a decisão da diretoria da empresa se destina ao desmonte completo com a venda de ativos."

    O diretor da FUP Gerson Castellano concorda com o parlamentar fluminense, e diz que o objetivo é, a partir dos trabalhos no Rio, mobilizar categoria e sociedade para levar essa investigação a nível federal.

    "Esse governo instalado tem um projeto claro: destruir a Petrobras, vender ativos a preços irrisórios, destruir todo o sistema integrado que hoje tem a Petrobras, que é do posto ao poste. Esse processo está muito alinhado com interesses internacionais. Ontem (quinta-feira), o Temer esteve lá na Noruega falando com o pessoal da Statoil, que está pegando muitos ativos nossos. Tudo isso também está alinhado com o processo de reduzir a carga das refinarias. A gente está produzindo menos petróleo, exportando óleo cru e importando gasolina. Nunca vi isso antes num país que tem óleo e refinarias suficientes, mandando dólar para fora, reduzindo empregos aqui", diz o diretor da FUP, ressaltando que a Petrobras é muito mais do que refinarias e postos, com conteúdo nacional em máquinas e equipamentos.

    "Esse é um processo de desmonte criminoso que está sendo feito pela gestão de Pedro Parente e que vai ficar para os anais da história como o maior crime de lesa pátria da nação. Vai ser mais grave do que a venda da própria Vasp em 1997. Esse processo de investigação no Rio de Janeiro precisa ser ampliado. Infelizmente a gente sabe que vai ter dificuldade, porque o golpe instalado teve o apoio parlamentar, mas a gente espera que a sociedade veja isso e que a empresa entenda que precisa haver uma mobilização para impedir que o desmonte de todo o sistema Petrobras ocorra."

    O diretor da FUP alerta ainda que a redução das atividades nas refinarias está colocando em risconão só  trabalhadores e instalações como as populações nas cercanias dessas unidades.

    "Há risco de ter acidentes graves que podem explodir refinarias pelo fato de estarem reduzindo efetivos. A FUP está indo atrás de vários órgãos. Fomos ao ministério (Minas e Energia) esta semana e estamos fazendo uma série de ações nacionais e internacionais", diz Castellano.

    Com relação à CPI da Alerj, o primeiro depoimento já está marcado. Será o do vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Fernando Siqueira, que vai depor na próxima quinta-feira (20), às 13 horas, no Palácio Tiradentes. 

    Mais:

    Voilá, Petrobras! Franceses abocanham mais negócios da empresa
    Petroleiros traçam estratégias para barrar venda de ativos da Petrobras
    Tags:
    Brasil, Michel Temer, Pedro Parente, Fernando Siqueira, Gerson Castellano, Paulo Ramos, Petrobras, PSOL, Congresso, ALERJ, Aepet, Statoil, CPI, estrangeiros, Poder Legislativo, ativos, refinarias, desnacionalização
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar