11:28 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Desde meados de março, UE reforça controles para entrada da carne brasileira

    Ameaças da UE à carne brasileira: conversa para boi dormir

    Arnaldo Alves/ANPR/Fotos Públicas
    Notícias
    URL curta
    5141162

    A União Europeia avisou ao Brasil que poderá suspender as importações de carne, caso o governo não volte a enviar relatórios detalhados dos controles sanitários após a divulgação da Operação Carne Fraca que, em março, revelou um esquema de pagamento de propina de alguns frigoríficos a fiscais da vigilância sanitária.

    Segundo as investigações, algumas empresas pagavam a funcionários do Ministério da Agricultara e Pecuária para liberarem lotes sem a devida fiscalização. Para alguns especialistas, no entanto, a pressão do bloco se deve muito mais a questões econômicas do que às de sanidade animal. Sebastião Costa Guedes, presidente da Academia Brasileira de Medicina Veterinária e vice-presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte, diz que a pressão dos europeus se deve muito mais à tentativa de obtenção de descontos e melhores prazos de pagamento agora que o real se encontra mais desvalorizado em relação ao dólar.

    "No geral, o serviço de inspeção veterinário e sanitário do governo brasileiro atende aos requisitos internacionais. Não acredito que se corre o risco de se ter uma suspensão das importações. Por outro lado, a UE pode exigir relatórios mais amiúde. Aliás, os burocratas de Bruxelas gostam muito de papeis", alfineta o especialista.

    Na última reunião dos ministros da Agricultura do bloco, realizada em Luxemburgo, foi apresentada uma auditoria apontando mais de 100 casos de contaminação de carnes brasileiras. Desde meados de março, a UE também tem reforçado os controles de entrada da carne brasileira, e já rejeitou 90 carregamentos em que foram apontadas 93 irregularidades. O bloco é o segundo maior comprador de frangos do Brasil (US$1,07 bilhão em 2016) e o terceiro em carne bovina (US$ 685 milhões no ano passado).

    Guedes exemplifica a questão do controle sanitário na Europa com as exigências feitas pela Rússia. Ele lembra que a Rússia tem muitas exigências específicas, ligadas a um posicionamento científico diferenciado dos Estados, principalmente na questão dos estimulantes de crescimento do gado e do uso de antibióticos nas rações. Ele observa que o Brasil cumpre todas as normas do Codex Alimentarium — coletânea de padrões reconhecidos internacionalmente, códigos de conduta, orientações e outras recomendações relativas a alimentos, produção de alimentos e segurança alimentar — da FAO (órgão da ONU ligado a alimentação) e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

    O presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte descarta que a pressão da UE sobre o governo brasileiro se deva à interferência de algum país concorrente. 

    "Na questão da carne bovina, ninguém tem custos menores do que nós. A  Austrália este ano está tendo problemas de produção devido a uma seca intensa e os Estados Unidos têm uma carne mais cara. No frango também acho difícil, porque o Brasil é um grande produtor de grãos", afirma.

    Guedes lembra que a Argentina foi um grande protagonista no mercado global de carnes e um dos principais concorrentes do Brasil. Segundo ele, 15 anos de kirchnerismo, porém, privilegiaram o mercado interno e seguraram as exportações como forma de diminuir a pressão sobre a inflação. O especialista observa, porém, que o país começa a voltar ao mercado, principalmente no segmento de carnes nobres em que só fica atrás dos EUA. Os americanos hoje têm como principal foco de exportação de carne para o Japão e a Coreia do Sul. Só para se ter uma ideia, uma tonelada de língua bovina tem preço médio mundial de US$ 4 mil, enquanto os japoneses pagam US$ 20 mil. 

    Mais:

    Rússia restringe importação de 31 empresas de carne e queijo brasileiras
    Balança da exportação de carne brasileira ainda mostra receita indigesta
    Tags:
    concorrência, preços, pressão, fiscalização sanitária, comércio exterior, pecuária, FAO, UE, Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), Academia Brasileira de Medicina Veterinária, Sebastião Costa Guedes, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik