03:05 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Tropas das Forças Armadas brasileiras

    Fórum de Segurança Pública questiona presença das Forças Armadas nos presídios

    Tomaz Silva/Agência Brasil
    Notícias
    URL curta
    732
    Nos siga no

    O Governo Federal anunciou oficialmente nesta quarta-feira, 18, o que o Presidente Michel Temer havia antecipado na véspera: as Forças Armadas participarão do esquema de segurança nos presídios. Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, 1 mil militares, agrupados em 30 equipes, farão este trabalho.

    Mesmo com Raul Jungmann assegurando que não haverá contato entre os militares e os presidiários, a socióloga Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, questiona a atuação das Forças Armadas nos presídios:

    "Tenho minhas dúvidas se as atribuições dos militares nos presídios, anunciadas pelo ministro, não serão as mesmas que as polícias militares e os agentes penitenciários executam rotineiramente, que é a inspeção das celas além da apreensão e recolhimento de todo material proibido de estar nas mãos dos presos, como armas, telefones celulares e quaisquer outros meios de comunicação. Militares são treinados para defender o Estado e a integridade territorial do país, não para lidar com criminosos que estão recolhidos em presídios."

    Segundo Raul Jungmann, os militares estarão prontos em até 10 dias para iniciar seus trabalhos nos presídios. Sua tarefa básica será inspecionar o interior das celas e evitar novos motins como os que vêm acontecendo desde o início do ano em presídios dos Estados do Amazonas, Roraima, Rondônia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Minas Gerais, com sérios riscos de a onda de violência se espalhar pelo país.

    Para ter direito à presença dos militares nos presídios, os governadores dos Estados e do Distrito Federal terão de oficiar ao Governo Federal, fazendo a solicitação.

    Basicamente, os militares entrarão nas celas para realizar trabalhos de inspeção, recolhendo tudo de irregular que for encontrado, como armas, munições, telefones celulares e quaisquer outros objetos cuja posse for proibida.

    Ao anunciar para a imprensa como os militares atuarão nos presídios, Raul Jungmann destacou:

    "Nós estamos contribuindo para que se reduza a possibilidade de novas rebeliões e também para reduzir a letalidade, essa tragédia que nós estamos observando. Mas é preciso o concurso das polícias, do Ministério Público, da Justiça, enfim, para que a gente possa superar esse tipo de situação. O que as Forças Armadas estão dando é a sua contribuição, diga-se de passagem, uma contribuição que vai além da sua principal tarefa, que é a defesa da pátria."   

    Mais:

    Rebelião em presídio de Natal deixa pelo menos 10 mortos
    Mais uma rebelião em uma cadeia de Manaus causa mortes
    Após nova rebelião com 33 mortos em presídio do Norte, Governo antecipa Plano de Segurança
    Tags:
    Raul Jungmann, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Amazonas, Distrito Federal, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar