13:07 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    A redação da agência internacional Sputnik

    'Agências russas de notícias furaram bloqueio internacional'

    © Sputnik/ Igor Russak
    Notícias
    URL curta
    Resolução europeia contra Sputnik (22)
    2102

    Continua repercutindo a resolução do Parlamento Europeu que equiparou a atuação das mídias internacionais russas à propaganda que a organização terrorista Daesh (o autodenominado Estado Islâmico) faz de si mesmo. A resolução, apresentada pela deputada polonesa Anna Elzbieta Fotyga, afirma que a Rússia faz propaganda contra a União Europeia.

    Dos 691 parlamentares que participaram da votação do projeto de resolução, 304 votaram a favor e 179 contra, e 208 se abstiveram. Foram citadas as seguintes mídias russas: agência Sputnik, canal de TV RT e Fundação Russky Mir, além da Agência Federal de Assuntos da Comunidade dos Estados Independentes, de Compatriotas no Exterior e Cooperação Internacional Humanitária da Rússia (Rossotrudnichestvo, na denominação em russo).

    Para o professor de Relações Internacionais Diego Pautasso, da UNISINOS (Universidade do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul), a comparação entre a autopropaganda do Estado Islâmico e a atuação das mídias russas é inadmissível. Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, Diego Pautasso, especialista em assuntos da Rússia, declara:

    "[A comparação] é descabida. Sobretudo partindo de uma instituição que, obviamente, congrega a elite política de um continente desenvolvido como é a Europa. Realmente, é inacreditável, mas isso tem explicação. Por um lado, há o aspecto mais específico de que o crescimento das agências russas de notícias tem furado, em alguma medida, o monopólio da mídia ocidental e de outro lado, há o aspecto que vimos comentando há tempos neste espaço, que diz respeito à estratégia dos Estados Unidos e do Ocidente de contenção da Rússia, a partir do momento em que este país se tornou mais assertivo na arena internacional."

    Sobre esta estratégia, há a informação do órgão oficial EU Observer de que a União Europeia poderá destinar verba de 1 milhão de euros (R$ 3,6 milhões) ao grupo de trabalho encarregado da contenção da Rússia na esfera midiática.

    Para o Professor Diego Pautasso, isto reforça a convicção de que não há a menor possibilidade de conectar a propaganda do Daesh à atuação das mídias russas:

    "A mídia do Estado Islâmico é a mídia de um grupo terrorista sem compromisso com nenhum tipo de organização internacional, sem comprometimento com o Estado moderno, nem tampouco com a formação de uma opinião pública. As mídias russas, as mídias de fora do grande núcleo ocidental, têm compromisso com seus Estados e com a opinião pública. São formadas por jornalistas de renome, com uma trajetória importante e, evidentemente, causam desconforto porque rompem um certo monopólio de formação de opinião, histórico, no núcleo dos países ocidentais."

    Na quinta-feira, 24, a imprensa russa destacou as informações divulgadas pelo Ministério das Relações Exteriores de que a Rússia espera pela não adoção de medidas concretas após a entrada em vigor da resolução do Parlamento Europeu. Segundo as mesmas fontes, a porta-voz do Ministério, Maria Zakharova, disse ainda que medidas de retaliação serão tomadas se esta resolução produzir consequências.  

    Tema:
    Resolução europeia contra Sputnik (22)

    Mais:

    Vice-presidente do Parlasul: Resolução da UE contra mídias russas é 'descabida'
    Jornalistas brasileiros reagem à resolução do Parlamento Europeu contra a mídia russa
    Rússia exige reação adequada da OSCE frente à resolução contra mídia russa
    Profissionais de mídia latino-americanos condenam resolução europeia contra mídia russa
    Tags:
    mídia russa, Estado Islâmico, propaganda, Russky Mir, Daesh, Rossotrudnichestvo, Anna Fotyga, Maria Zakharova, Diego Pautasso, EUA, União Europeia, Europa, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik