01:35 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Deputados durante sessão na Câmara

    Projeto na Câmara 'enterra a Lava Jato'

    Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados
    Notícias
    URL curta
    28410
    Nos siga no

    O Congresso Nacional está debatendo um projeto de lei que introduz mudanças na lei que regula o Acordo de Leniência. Este instrumento jurídico permite aos proprietários e diretores de empresas envolvidos em ilícitos penais discutir com o Ministério Público a possibilidade de as empresas se manterem habilitadas a participar de licitações.

    O Acordo de Leniência costuma estar acompanhado do Termo de Colaboração, mais conhecido como Delação Premiada. Este instrumento é uma garantia para o réu em processo penal discutir a redução de sua pena, desde que os fatos por ele alegados sejam rigorosamente verdadeiros e corroborados por provas incontestes.

    O projeto que tramita na Câmara prevê atenuações que abrandam as condições das empresas e dos seus responsáveis, o que levou os membros do Ministério Público Federal no Estado do Paraná a reunir a imprensa para dizer, através do Procurador Deltan Dallagnol, que, "na prática, este projeto fere de morte a Operação Lava Jato", deflagrada por estes procuradores, pela Polícia Federal do Paraná e pelo Juiz Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba. Outro procurador, Carlos Fernando dos Santos Lima, disse que "o projeto é um incentivo à corrupção, já que as empresas estarão trocando dinheiro pela não punição dos investigados".

    Os debates em torno deste projeto, de número 3.636, ganharam intensidade nesta semana na Câmara Federal, a ponto de o seu relator, André Moura (PSC-SE), que também é líder do Governo na Câmara, requerer urgência para sua votação. Mas, diante da reação dos demais parlamentares, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), retirou o pedido da pauta de votações da quarta-feira, 9, e não estipulou nova data para sua apreciação.   

    Ouvido pela Sputnik sobre todo este quadro político e jurídico, o Deputado Federal Júlio Delgado (PSB-MG) disse estar de inteiro acordo com os membros do Ministério Público Federal do Paraná:

    "A avaliação dos procuradores é real. Se este projeto for aprovado, corremos o risco de ver todo o trabalho da Operação Lava Jato comprometido, assim como correrão risco todas as futuras operações da Justiça, do Ministério Público e da Polícia no combate à corrupção. Os procuradores estão certíssimos e este projeto não pode ser aprovado pelos parlamentares. Ainda mais pelo fato de estarmos numa semana em que está sendo executada a 36.ª fase da Operação Lava Jato, em que os alvos são operadores do mercado financeiro, acusados de ter cometido fraudes para beneficiar empresas. A aprovação de tal projeto resultará num grande prejuízo para o Brasil."

    Segundo o parlamentar, há muita gente receando as próximas fases da Operação Lava Jato:

    "Há muita coisa ainda por ser descoberta nas investigações da Lava Jato que se tornarão públicas. Justamente por afetar os interesses de pessoas que pretendem manter suas ações ocultas do público é que existem estas pressões em torno das atenuações relativas aos Acordos de Leniência."

    Para Júlio Delgado, a classe política precisa se dar conta de que a realidade mudou:

    "O recado à nossa classe foi dado pelas urnas das eleições municipais de 2016. A hora é de absoluta seriedade e de total respeito pela sociedade e pela coisa pública. Espero que, assim como eu, todos os parlamentares tenham compreendido e assimilado esta mensagem que é claríssima."

    Texto preliminar do relatório de André Moura, sobre o Projeto 3.636, exclui a fiscalização do Tribunal de Contas da União no processo de negociação com empresas investigadas e sustenta que o Ministério da Transparência poderia fechar os acordos de leniência mesmo sem a participação do Ministério Público.

    Segundo informações que circularam no Congresso Nacional, André Moura teria recebido orientações do Palácio do Planalto para na terça-feira, 8, articular junto aos líderes da base aliada a tramitação em caráter de urgência para este projeto que altera a lei dos Acordos de Leniência. O requerimento de urgência chegou a ser protocolado com a assinatura de 14 líderes partidários, mas o Presidente Rodrigo Maia decidiu retirá-lo da pauta de votações da quarta-feira, 9.

    Mais:

    Crivella é citado em delação premiada da Lava Jato
    Senadores se defendem contra suspeita de atrapalhar a Lava Jato
    Projeto de lei em discussão no Senado teria como objetivo dificultar ações da Lava Jato
    Tags:
    Operação Lava Jato, colaboração, acordo de leniência, delação premiada, corrupção, Tribunal de Contas da União, PSB, DEM, MPF, Deltan Dallagnol, André Moura, Rodrigo Maia, Curitiba, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar