23:10 18 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Final da votação da PEC 241 no plenário da Câmara dos Deputados

    Economista: PEC 241 é boa, mas com restrições

    Lula Marques / AGPT
    Notícias
    URL curta
    943

    A aprovação, pelo Plenário da Câmara, da PEC 241, que estabelece limites de gastos para as despesas públicas, é vista pelo economista Istvan Kaznar, da FGV/RJ, como medida saudável, destinada a ordenar o uso de dinheiro público no Brasil. Porém, há sérias restrições.

    Em entrevista à Sputnik, Istvan Kaznar, professor da Ebape (Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro), disse que a Proposta de Emenda à Constituição 241/2016 deve ser vista de forma saudável:

    "Creio que devemos olhar para esta PEC como uma medida que criará maior disciplina fiscal no Governo. Como há uma grande quantidade de desfalque, como há um enorme dispêndio, o gasto vem sempre à frente no uso do dinheiro público, e a receita vem depois. Em decorrência destes fatos, estamos vendo que o déficit público está se perpetuando, quando isso jamais deveria acontecer", comenta Istvan Kaznar.

    O especialista considera que até 2017 haverá um déficit público da ordem de 140 bilhões de reais, "o que, a rigor, é inominável. Digo até que é inaceitável porque o bom gestor financeiro, que lida com verbas públicas, reprograma suas despesas, reprograma todo o conjunto de receitas e dispêndios que possui, reprograma o uso do seu orçamento de modo a equilibrar suas contas e não agravar a dívida pública, evitando novas privatizações de empresas estatais e assim por diante".

    "Como um todo", acrescenta Kaznar, "a ideia desta PEC 241 é observar rigor, criar limites e estabelecer um regime fiscal que por 20 anos vai disciplinar a administração de gastos primários. Eu não creio que a PEC 241 seja uma medida de força do Executivo, porque, no fundo, teremos de pensar numa política de gastos totais e não de gastos primários."

    O Professor Istvan Kaznar se declara favorável, “em princípio e momentaneamente”, à PEC 241, mas alinha alguns aspectos que lhe causam preocupação nesta Proposta de Emenda à Constituição:

    "Número 1: A PEC 241 não equaciona o macroproblema brasileiro do déficit continuado da dívida pública e da elevação da taxa de juros, que catapulta a dívida pública ao valor de R$ 3 trilhões, valor inédito no Brasil;

    "Número 2: A PEC 241 não representa as reformas de que tanto o país precisa. Ela é disciplinadora de gastos mas não menciona a real necessidade que o país possui de uma grande quantidade de reformas, como trabalhista, previdenciária, fiscal, monetária, bancária, tributária e do mercado de crédito;

    "Número 3: A PEC 241 não é medida que promova investimentos. Sua finalidade é conter gastos, e quando gastos públicos são contidos a velocidade da Economia também se reduz;

    "Número 4: A PEC 241 é uma medida saudável, mas não proporciona criação de empregos, dentro deste gigantesco quadro de desemprego que há no país, com cerca de 12 milhões de pessoas desempregadas;

    "Número 5: A PEC 241 contempla a Saúde e a Educação, que terão tratamento obviamente diferenciado em 2017, mas deixa de fora setores públicos vitais como Segurança Pública e os que são geradores de empregos, como produção de estímulos ao aprimoramento tecnológico, ao desenvolvimento da ciência, à maior produtividade na agricultura e à recuperação da indústria."

    "Então", conclui Istvan Kaznar, "minha recomendação é: vamos observar a aplicação destas medidas, mas, sobretudo, vamos ficar de olho."

    O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na madrugada da quarta-feira, 26, em segundo turno, a PEC do Teto dos Gastos Públicos (Proposta de Emenda à Constituição 241/16), que estabelece limites para os gastos federais para os próximos 20 anos, corrigindo-os pela inflação acumulada do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no ano antecedente.

    A matéria, de iniciativa do Poder Executivo, foi aprovada por 359 votos a 116, e agora terá de ser analisada pelo Senado. Na quarta-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, entregou ao presidente do Senado, Renan Calheiros, a resolução adotada em Plenário.

    De acordo com o substitutivo aprovado, do Deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), o chamado novo regime fiscal valerá para os Orçamentos Fiscal e da Seguridade e para todos os órgãos e Poderes.

    O texto da PEC 241 cria limites individualizados para os seguintes órgãos: Poder Executivo; Tribunais e Conselho Nacional de Justiça, no Judiciário; Senado, Câmara dos Deputados e Tribunal de Contas da União (TCU), no Legislativo; Ministério Público da União e Conselho Nacional do Ministério Público; e Defensoria Pública da União.

    Segundo informação da Agência Câmara de Notícias, "ana regra geral, para 2017 o limite de cada um dos órgãos ou Poderes será a despesa primária (aquela que exclui os juros da dívida) paga em 2016, somada aos chamados restos a pagar de antes de 2015 quitados neste ano (pagamento feito em atraso por serviço ou bem efetivamente prestado) e demais operações que afetam o resultado primário, com correção desse total por 7,2%. Este índice é uma projeção da inflação de 2016 constante do projeto de lei orçamentária de 2017. O acumulado até setembro é de 5,51%. De 2018 em diante, o limite será o do ano anterior corrigido pela variação do IPCA de 12 meses do período encerrado em junho do ano anterior. No caso de 2018, por exemplo, a inflação usada será a colhida entre julho de 2016 e junho de 2017."

    Mais:

    Deputados aprovam em segundo turno a PEC 241
    Comissão no Senado vai discutir imposto progressivo como alternativa à PEC 241
    Tags:
    PEC Gastos Públicos, PEC do Fim do Mundo, PEC 241, economia, Câmara dos Deputados, Senado Federal, Darcísio Perondi, Renan Calheiros, Istvan Kasznar, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik