06:53 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente Michel Temer e Chefes de Estado e de Governo do BRICS

    Especialista em BRICS: 'Brasil deve ampliar relações com a China'

    Beto Barata/PR
    Notícias
    URL curta
    VIII Cúpula do BRICS (15)
    13100

    As conversações bilaterais realizadas em paralelo à Cúpula dos BRICS em Goa levaram os analistas a discutir quais seriam as melhores parcerias comerciais do Brasil com os países do grupo: Índia, China ou Rússia?

    A 8.ª Conferência de Cúpula dos BRICS, realizada em Goa, na Índia, no último fim de semana, reforçou no especialista Diego Pautasso a convicção de qual deve ser o principal parceiro do Brasil no grupo: “A China é este país. Apesar de se falar muito na Índia, creio que as atenções do Brasil devam focar na China.”

    Especialista em BRICS, Diego Pautasso, que é professor da Universidade do Vale dos Sinos e do Colégio Militar de Porto Alegre, explica as razões pelas quais vê a China como principal parceiro do Brasil no bloco:

    "Não há dúvida de que a Índia apresenta um crescimento econômico de grande potencial, mas minha tendência é achar que o relacionamento mais forte do Brasil, no âmbito dos BRICS, é com a China. Claro que desvinculado inteiramente dos aspectos estratégicos e ideológicos dos Governos Lula e Dilma Rousseff, mas um relacionamento voltado para as questões comerciais e de infraestrutura. A China é o segundo maior emissor de Investimento Externo Direto no Brasil e tem interesses vitais nos setores energético, agrícola e estratégico do Brasil. E o Brasil, por sua vez, tem todo o interesse em se relacionar com aquele mercado. Por isso, acredito num relacionamento prioritário do Brasil com a China dentro do grupo BRICS."

    Em relação à Rússia, Diego Pautasso diz que o país tem, igualmente, grandes interesses no Brasil:

    "Do ponto de vista político, a Rússia se apresenta como um contraponto à hegemonia dos Estados Unidos, privilegiando um relacionamento multilateral. Embora o Brasil de Michel Temer pareça estar mais inclinado a se voltar para Estados Unidos e Europa, não há dúvidas de que o Brasil jamais irá abrir mão das suas boas relações com a Rússia. Então, talvez não caiba falar em afastamento entre Rússia e Brasil, mas, sim, num período de amadurecimento das ligações entre os dois países."

    Tema:
    VIII Cúpula do BRICS (15)

    Mais:

    Após BRICS, Temer assina acordos na Índia e segue para Tóquio para ampliar laços
    Declaração do BRICS em Goa reflete vários temas políticos importantes para Rússia
    Tags:
    investimento externo, BRICS, crescimento econômico, Michel Temer, Diego Pautasso, Goa, África do Sul, Índia, China, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik