17:17 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Notícias
    URL curta
    0172
    Nos siga no

    "Eu tinha fundadas esperanças de que a Presidente Dilma Rousseff saísse vitoriosa no processo do impeachment. Acreditava que os senadores teriam a compreensão do que representa este processo, e quais as suas motivações", afirma o Senador Roberto Requião em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil.

    Um dos mais vigorosos defensores de Dilma Rousseff em sua manutenção na Presidência da República, para que cumprisse seu segundo mandato consecutivo até o final (31 de dezembro de 2018), Roberto Requião (PMDB-PR) explica:

    "Eu era opositor da Presidente Dilma Rousseff. Eu tinha uma visão mais nacionalista, mais progressista à esquerda. Mas a presidente não cometeu crime de responsabilidade. O impeachment foi resultado de interesses geopolíticos, notadamente de países fortes como os Estados Unidos, e do capital financeiro, que é um capital vazio, não produtivo."

    O senador paranaense acrescenta:

    "A vaidade do Michel Temer fez com que ele aceitasse um projeto que se chamou Ponte para o Futuro. Esse projeto é um retrocesso brutal na construção do estado democrático e social no Brasil. Este é um projeto liberal, moribundo, é um projeto que faliu a Grécia e criou sérios problemas em Portugal, Espanha, Itália, etc. Este projeto encontrou abrigo na vaidade de Michel Temer, que queria porque queria atingir a Presidência da República."    

    O Senador Roberto Requião também esclarece os motivos de sua recente fala no Senado, de que, se a Presidente Dilma Rousseff fosse afastada, como de fato o foi, o Brasil caminharia para uma guerra civil:

    "Eu disse isso, sim, numa sessão há poucos dias no Senado Federal, em defesa da Presidente Dilma Rousseff. Quando falei isso, eu tinha em mente o que aconteceu na Grécia e poderá acontecer no Brasil. O país não suporta esse retrocesso [a retirada de direitos fundamentais], e se isso acontecer nós vamos para o conflito." 

    Mais:

    Países sul-americanos convocam diplomatas em resposta a impeachment de Dilma Rousseff
    Votação separada do impeachment pode beneficiar Cunha
    Momentos do impeachment nas redes sociais: choro, flores e Chico Buarque
    Tags:
    Brasil, Brasília, EUA, Grécia, Portugal, Espanha, Dilma Rousseff, Michel Temer, Roberto Requião, Senado Federal, PMDB, impeachment, economia, oposição
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar