17:08 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Presidente Dilma Rousseff durante entrevista no Palácio da Alvorada

    Impeachment: 'Votar ou não votar por Dilma não é uma questão pessoal dos senadores'

    Roberto Stuckert Filho/PR
    Notícias
    URL curta
    Impeachment no Senado (104)
    324921

    A advogada Rosa Maria Cardoso da Cunha, que durante o regime ditatorial defendeu a então jovem ativista Dilma Rousseff na Justiça Militar, comenta agora para a Sputnik o julgamento do impeachment da presidente afastada.

    "O julgamento da Presidente Dilma Rousseff está transcorrendo de uma forma densa, pelo menos nos seus dois primeiros dias”, diz a Dra. Rosa Maria. “O nível do debate está muito forte, e as opiniões expostas estão muito bem fundamentadas."

    Para a especialista, o ponto alto do julgamento tem sido a atuação do advogado de defesa da presidente, o ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo:

    "Ele está se conduzindo de forma muito lúcida e serena, transmitindo tranquilidade à presidente e mostrando ter domínio de todos os seus argumentos."

    Rosa Maria Cardoso conta ainda que, junto com outros renomados juristas, como Dalmo de Abreu Dallari, tem contribuído com opiniões e pareceres para proporcionar argumentos à defesa de Dilma Rousseff.   

    Sobre a existência de alguma expectativa de que a presidente possa reverter um resultado que neste momento aparenta ser desfavorável a ela, a advogada afirma:

    "Como não sabemos ainda o que está por vir – nesse momento existe um número pequeno de indecisos, mas existe –, eu não me atreveria a prever um resultado, porque existe exatamente essa margem de pessoas que ainda podem mudar de opinião."

    Ao ser perguntada se o comparecimento de Dilma Rousseff ao Senado pode mudar alguma coisa, Rosa Maria Cardoso Cunha afirma que sim, "porque não é somente uma questão de posição pessoal do senador". Ela explica: "O senador representa ali um eleitorado, e ele tem que ter certa coerência entre o que ouvir, o que ficar assentado nessa fase de instrução e a satisfação que ele tem que dar aos seus eleitores. Se for muito convincente o que a presidente disser, se o senador votar contra, ele poderá ter dificuldade de se explicar diante de seu eleitorado. Acho que são razões de diferentes naturezas que podem levar um senador a mudar o voto, e uma das fundamentais não é somente a questão da sua consciência, mas a avaliação do que pensa o eleitor que o elegeu."

    Tema:
    Impeachment no Senado (104)

    Mais:

    Renan Calheiros provocou suspensão do julgamento de impeachment
    Partidos que apoiam o impeachment abrem mão de perguntas para acelerar julgamento
    Após agressões verbais a sessão de julgamento do impeachment é suspensa para o almoço
    Tags:
    defesa, acusação, impeachment, Senado Federal, Rosa Maria Cardoso da Cunha, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik