15:06 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Extrção de de petróleo

    Brasil fecha 2015 com aumento de 7,7% na produção de petróleo e de 10,1% na de gás

    © Fotolia / marrakeshh
    Notícias
    URL curta
    210

    O Brasil fechou o ano passado com crescimento de 7,7% na produção de petróleo e de 10,1% na de gás natural, registrando recordes nos campos do pré-sal. Só em agosto de 2015, foi alcançado o maior índice, com 859,8 milhões de barris/dia (Mb/d) de petróleo e de 32,5 milhões de metros cúbicos (MMm³) de gás.

    O aumento da eficiência operacional das unidades produtoras e a alta produtividade dos poços explorados nos reservatórios do pré-sal foram fatores importantes para o alcance desses resultados. Os dados são do Boletim Anual de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural.

    De 2006 a 2015, as reservas provadas de petróleo cresceram 6,6%, passando de 12,2 para 13 milhões de barris. No mar, o crescimento foi de 9,7% (de 11,3 para 12,4 bilhões de barris). Em terra, as reservas de petróleo diminuíram, contudo, 25,6% (de 0,9 para 0,67 bilhão de barris). A Bacia de Sergipe, na parte terrestre, possuía em 2015 a maior reservada provada, de 0,21 bilhão de barris. No ano passado, as reservas provadas de petróleo no país diminuíram 19,5% em comparação a 2014 (de 16,2 para 13 bilhões de barris).

    Com relação às reservas provadas de gás natural, nos últimos dez anos também houve acréscimo de 23,3% (de 348 para 429 bilhões de m³). Em 31 de dezembro de 2015, a Bacia de Santos (SP) era detentora da maior reserva do país, com 227 bilhões de m³ ou 52,8% do total. Em terra, porém, houve decréscimo de 4,3% (de 74 para 71 bilhões de m³) nas reservas provadas de gás natural, quando comparadas a 2006.

    Mais:

    Rússia ultrapassa Arábia Saudita como maior exportadora de petróleo para a China
    Rússia pode extrair petróleo por pelo menos mais 30 anos no ritmo atual
    Tags:
    pré-sal, reservas, recorde, produção, gás, exploração de petróleo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar