10:35 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Comissão do Impeachment ouve duas testemunhas em defesa de Dilma
    Geraldo Magela/Agência Senado

    Líder do PT no Senado: 'Impeachment de Dilma põe em xeque a nossa democracia'

    Notícias
    URL curta
    51868195

    Relator do processo de impeachment da Presidente Dilma Rousseff, o Senador Antônio Anastasia (PSDB-MG) recomendou à Comissão Especial do Senado nesta terça-feira, 2, o prosseguimento do processo e a sua condução ao Plenário do Senado. O Senador Paulo Rocha comenta o fato para a Sputnik.

    No relatório de 441 páginas, do qual leu apenas os principais pontos, o Senador Anastasia reiterou o seu entendimento ao afirmar que Dilma Rousseff cometeu crime de responsabilidade ao utilizar verbas não autorizadas pelo Congresso Nacional.

    Em torno das posições manifestadas por Antônio Anastasia em seu relatório, Sputnik Brasil ouviu o líder do Partido dos Trabalhadores no Senado, Paulo Rocha (PT-PA). O senador petista disse não ter se surpreendido com o voto do colega de Minas Gerais, e que a bancada do PT está empenhada para, no julgamento em Plenário, tentar reverter o quadro que, neste momento, é desfavorável à presidente afastada.

    Ainda na entrevista, Paulo Rocha refutou os rumores de que o PT teria abandonado a presidente à sua própria sorte, conforme publicado por alguns órgãos da mídia.

    O relatório de Antônio Anastasia será debatido na quarta-feira, 3, pela Comissão Especial do Impeachment, e na quinta-feira, 4, será votado. Na próxima semana, na terça-feira, 9, será debatido em Plenário.

    Segundo o Senador Paulo Rocha, "na verdade, esse último relatório é uma peça que faz parte de uma obra acabada desde o início. Nós já estávamos preparados para esse resultado, e por isso estamos fazendo uma declaração de voto que mostra a posição de nossa bancada, e no voto em separado é a posição do bloco que sempre defende a volta da presidente e a normalidade da democracia em nosso país".

    O líder do PT no Senado pensa ainda que "o resultado da Comissão já está definido: 15 a 5, que é a correlação de forças lá. Nossa estratégia é mudar isso no Plenário, na votação definitiva, no final do mês, onde precisamos consolidar o voto dos 22 senadores que já haviam votado pelo não afastamento dela e ao mesmo tempo consolidar de 6 a 8 votos que estamos articulando para que com esses 28 ou 29 votos nós impeçamos que eles tenham 54 votos para o afastamento definitivo da presidente. Este é o centro da questão e o embate político que vai haver nesse mês de agosto".

    O Senador Paulo Rocha julga, também, ser possível salvar a presidente.

    "Estou muito otimista pelo que temos conversado e trabalhado nesses últimos tempos. Acho que nossa atuação na Comissão mostrou para a sociedade brasileira que não há crime, que realmente é uma conspiração política que se criou a partir de uma maioria parlamentar e que isso está colocando em xeque nossa democracia."

    "Nosso esforço aqui não é só pela volta da presidente", finaliza Paulo Rocha, "até porque seria uma injustiça cassá-la, porque ela não cometeu crime nenhum de responsabilidade. É uma pessoa honesta e, mais ainda, tem a legitimidade porque saiu das urnas. A nossa briga maior é para que não se interrompa a democracia ainda jovem que estamos construindo em nosso país, pois isso coloca em xeque todos os avanços e conquistas que tivemos com vários governos advindos dessa própria democracia."

    Mais:

    'É golpe': Defesa de Dilma entrega alegações finais ao Senado
    Domingo é marcado por atos 'Fora Temer' 'Fora Dilma'
    Tags:
    crime de responsabilidade, democracia, impeachment, Comissão Especial de Impeachment, PSDB, PT, Antonio Anastasia, Dilma Rousseff, Minas Gerais, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik