19:16 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Tropas das Forças Armadas que atuarão na Rio 2016
    Tomaz Silva/Agência Brasil

    Guerra ao terror: Brasil age com 106 países para defesa das fronteiras e da Rio 2016

    Notícias
    URL curta
    Ameaças terroristas na Rio 2016 (22)
    0 01

    Em recentes declarações sobre a segurança nas fronteiras do país, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, admitiu falhas no monitoramento da extensa região "de 17 mil quilômetros de fronteiras terrestres e 7,5 mil de fronteiras no mar", mas elogiou colaboração do Brasil com mais de 100 países.

    Sobre as declarações do ministro, Sputnik Brasil conversou com um especialista em Segurança Militar, o professor de História e Relações Internacionais, Ricardo Cabral, pesquisador e colaborador da Escola de Guerra Naval. Para Ricardo Cabral, a primeira questão a ser considerada quando se trata de segurança nas fronteiras é de ordem orçamentária:

    "É preciso orçamento, é preciso liberar verbas para uma efetiva defesa das fronteiras", diz Cabral. "Por exemplo, nós temos dois sistemas que são fundamentais para o país e enfrentam graves dificuldades financeiras, o Sisfron e o Sisgaaz. O Sisfron – Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras, executado pelo Exército, avança a passos muito lentos. Já o Sisgaaz – Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul [o Mar Brasileiro] está simplesmente parado por falta de recursos financeiros."

    O colaborador da Escola de Guerra Naval destaca que "é importante notar que a ação das Forças Armadas nas fronteiras é subsidiária. A tarefa principal da vigilância terrestre deve competir à Polícia Federal com apoio da Polícia Rodoviária Federal e das Polícias Estaduais, com os contingentes que atuam junto às áreas fronteiriças".   

    Ainda segundo Ricardo Cabral, as Forças Armadas têm planos definidos para modernização de suas frotas e dos seus equipamentos, mas têm esbarrado no problema que se repete há muitos anos – a falta de verbas para que as compras sejam consolidadas:

    "Há projetos elaborados há 20 anos ou mais e que não podem ser executados porque os recursos não são liberados. Os sucessivos Governos anunciam verbas, mas, na hora de distribuí-las, elas acabam sendo contingenciadas. Quer dizer, não podem ser usadas. Assim, de adiamento em adiamento, a defesa do país vem sendo sacrificada."

    O Professor Cabral também analisa a cooperação que o Brasil montou com outros países para reforçar a segurança neste período de Olimpíadas e Paralimpíadas:

    "Uma das melhores coisas que o Governo anterior [de Lula e Dilma Rousseff] fez foi montar o Centro Internacional Integrado de Inteligência. Pelo que se sabe, são 106 países trabalhando em conjunto com o Brasil, compartilhando informações sobre riscos que o país pode enfrentar durante estes dois grandes eventos [a Olimpíada e a Paralimpíada]. O problema é saber como a Abin – Agência Brasileira de Inteligência vai processar esta imensa quantidade de informações que está recebendo. A questão é saber a velocidade com que a Abin poderá processar estas informações e tirar o máximo proveito delas. Mas, de qualquer forma, é uma iniciativa louvável esta cooperação internacional com o Brasil para a segurança do país."

    Tema:
    Ameaças terroristas na Rio 2016 (22)

    Mais:

    Ministro nega existência de outros grupos suspeitos de terrorismo no Brasil
    Representante da ONU diz que problema do terrorismo não é mais setorizado, mas global
    Tags:
    terrorismo islâmico, Olimpíadas, segurança nacional, Jogos Olímpicos, Rio 2016, Abin, Forças Armadas do Brasil, Raul Jungmann, Ricardo Cabral, Lula, Dilma Rousseff, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik