22:53 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio

    Rio 2016: Linha dura contra o terror

    Notícias
    URL curta
    Ameaças terroristas na Rio 2016 (22)
    0 0 0
    Nos siga no

    "A Lei de Combate ao Terrorismo é eficaz mas ainda precisa ser aprimorada, para que as autoridades policiais e judiciárias possam exercer plenamente seu papel na repressão às práticas terroristas." Às vésperas dos Jogos do Rio 2016, a opinião é de um especialista em antiterrorismo, Marcus Reis.

    O advogado criminalista Marcus Reis, especialista em antiterrorismo e professor de diversas instituições públicas, refere-se à Lei 13.260/2016, que cuida do assunto. A observação do especialista foi feita com exclusividade à Sputnik Brasil, a propósito da informação revelada nesta quinta-feira, 21, pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que 10 pessoas foram detidas em 10 Estados como suspeitas de ligação com a organização extremista Daesh, autointitulada Estado Islâmico. As detenções, buscas e apreensões ocorreram nos Estados do Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

    Segundo o ministro, as investigações tiveram início em abril, com o acompanhamento de redes sociais pela Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal. Os detidos participavam de um grupo virtual denominado Defensores da Sharia (a lei religiosa islâmica) e planejavam adquirir armamentos para cometer crimes no Brasil e até mesmo em outros países. Nos próximos passos das investigações se fará a busca por pelo menos mais dois elementos considerados foragidos. Também sob investigação estão os dirigentes de uma ONG que, segundo a Polícia Federal, sob o disfarce de fomentar atividades humanitárias servia de apoio às atividades de alguns dos detidos.

    Por sua vez, o juízo da 14.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, que centralizou os resultados das ações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal e expediu os mandados de prisão, informa que foi possível chegar aos detidos mediante quebras de sigilo de dados e interceptações telefônicas. Desta forma, os investigadores descobriram indícios de que os suspeitos fazem apologia da intolerância racial, de gênero e religiosa, além do uso de armas e da prática de métodos de guerrilha para alcançar seus objetivos.

    Essa foi a primeira operação desde a publicação da Lei 13.260/2016, e contou com a participação de 130 policiais. Os detidos responderão, individualmente, na medida de suas participações, pelos crimes de promoção de organização terrorista e realização de atos preparatórios de terrorismo. A pena para o primeiro crime é de 5 a 8 anos de prisão, além do pagamento de multa. Para quem executa atos preparatórios, a pena varia de 3 a 15 anos de prisão.

    Nos artigos 3.º e 5.º, a Lei 13.260 define como crime "promover, constituir, integrar ou prestar auxílio, pessoalmente ou por interposta pessoa, à organização terrorista, assim como realizar atos preparatórios de terrorismo com o propósito inequívoco de consumar o delito."

    Mas, segundo o advogado Marcus Reis, há outros aspectos que precisam ser aperfeiçoados nesta Lei de 16 de março deste ano:

    "O Brasil não tem tradição legal no combate ao terrorismo. A Lei 13.260 é muito recente e ainda precisa ser melhorada. Na definição de terrorismo, existe o fato de uma pessoa ou de um grupo de pessoas tentar, através de pressão política, mudar os hábitos da sociedade e do Estado. Por incrível que pareça, a lei brasileira não fala em pressão política. Então, é preciso alterar isso."

    Marcus Reis conclui:

    "Outra coisa são os mecanismos de apuração destes ilícitos. Esta lei usa os instrumentos e mecanismos da Lei de Combate ao Crime Organizado. Esta lei também é muito boa, mas ainda faltam diversos instrumentos para aprimorar a Lei de Combate ao Terrorismo, como, por exemplo, definir o pagamento de informantes, o estabelecimento de prisões especiais para os suspeitos de terrorismo ou adaptações de algumas prisões já existentes, disciplinar as interceptações telefônicas, buscas e apreensões autorizadas por delegados de polícia com conhecimento do Poder Judiciário e do Ministério Público, medidas que já existem nos Estados Unidos e na Europa. Nós precisamos que estas medidas cheguem ao Brasil para aprimorar o combate ao terrorismo. O Brasil não tem essa tradição e precisa criá-la."    

    Tema:
    Ameaças terroristas na Rio 2016 (22)

    Mais:

    Segurança Rio 2016: Começa monitoramento em tempo real de voos nos aeroportos
    'A maior ameaça de terrorismo à Rio 2016 vem dos lobos solitários'
    Rio 2016 tem agentes contra ataques nucleares
    Tags:
    terrorismo islâmico, crime organizado, terrorismo, Ministério Público Federal, Polícia Federal, Alexandre de Moraes, Paraíba, Ceará, Curitiba, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Europa, Rio de Janeiro, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar