19:22 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Prefeitura de SP articula rede de serviços para atender refugiados
    Eduardo Ogata/São Paulo Carinhosa

    Fórum Social Mundial: Legislação para o imigrante é herança da ditadura

    Notícias
    URL curta
    117202

    Terminou neste domingo, 10, em São Paulo, o 7.º Fórum Social Mundial de Migrações, que abordou a necessidade de o Brasil atualizar sua legislação para os migrantes, de modo a lhes proporcionar vários direitos, entre os quais o do voto.

    Segundo o coordenador do encontro, Paulo Illes, que falou com exclusividade à Sputnik Brasil, “o Fórum Social Mundial de Migrações é um grande evento realizado a cada dois anos e constitui um braço do Fórum Social Mundial. Foi criado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em 2005, e passou por Madri (Espanha), Quito (Equador), Manila (Filipinas) e Johanesburgo (África do Sul), e agora chegou ao Brasil. Este ano foi realizado em São Paulo e nós o tratamos como um fórum de convergências”.

    O Fórum deste ano focou em uma nova forma de ver o migrante, não apenas como uma questão de segurança mas passando a vê-lo também sob o ponto de vista dos direitos humanos. Desta forma, os debates estiveram voltados para a reformulação do Estatuto do Estrangeiro, atualizado em 1980, e para a discussão, no Congresso Nacional, da Proposta de Emenda Constitucional apresentada pelo Deputado Carlos Zarattini (PT-SP), sugerindo alterações no Artigo 14 de modo a permitir que imigrantes possam votar e ser votados no Brasil.

    Segundo Paulo Illes, “o que se deseja é uma mudança de paradigmas. O foco nos direitos humanos enfatiza o direito de cada pessoa de migrar e neutraliza a forma da Europa de ver a questão, que lá é tratada como verdadeira ameaça à segurança do continente. O que nós estamos propondo é a formulação de políticas públicas para os migrantes, de modo a promover a sua inclusão social.”

    Em relação à extensão do direito de voto para os migrantes, Paulo Illes destaca:

    “Nós temos uma campanha mundial com este objetivo. A campanha tem como lema ‘Aqui Vivo, Aqui Voto’, numa referência ao país em que o migrante se estabelece. Esta campanha nasceu com os migrantes latino-americanos em Barcelona, na Espanha, e se espalhou pelo mundo. No Brasil, estamos trabalhando nessa campanha desde 2012, mas, para alcançar este objetivo, precisamos mudar o Artigo 14 da Constituição Federal. A Proposta apresentada pelo Deputado Carlos Zarattini está no Congresso Nacional mas ainda não foi votada. E o que nós precisamos efetivamente é mudar a legislação para o estrangeiro, ainda uma herança do período militar, de modo a permitir a atualização das condições de vida do migrante no Brasil.”

    Sputnik Brasil também procurou saber a opinião do ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, para o Brasil. O órgão, porém, respondeu que não poderia se manifestar sobre o assunto por envolver questões específicas da soberania brasileira.    

    Mais:

    Trump comemora derrota da reforma de imigração proposta por Obama
    Alemanha aprova lei para facilitar integração de imigrantes
    Tags:
    direito de voto, constituição, migração, estrangeiros, imigração, direitos humanos, ACNUR, PT, Carlos Zarattini, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, África, São Paulo, Espanha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik