11:45 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Michel Temer e Eduardo Cunha, na Câmara dos Deputados, em Novembro de 2015.
    Antonio Cruz/ Agência Brasil

    Pepe Vargas: ‘Michel Temer se mostra refém de Eduardo Cunha’

    Notícias
    URL curta
    3583102

    O presidente interino Michel Temer recebeu no domingo, 26, em sua residência oficial no Palácio do Jaburu, o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação divulgada pela mídia não foi desmentida, e mereceu comentários da presidente afastada Dilma Rousseff.

    Em sua página <dilma.com.br> a presidente postou: “O presidente interino e provisório não consegue governar sem conversar com um presidente que o Supremo Tribunal Federal já denunciou por unanimidade duas vezes e mantém o controle da Câmara dos Deputados.”

    Sobre a reação de Dilma, Sputnik Brasil conversou com um dos parlamentares mais ligados à presidente, seu ex-ministro das Relações Institucionais, do Desenvolvimento Agrário e da Secretaria dos Direitos Humanos. Pepe Vargas (PT-RS) observou:

    “Uma coisa é o presidente da República, ainda que provisório e interino, receber em sua residência oficial o presidente da Câmara dos Deputados. Outra coisa completamente diferente é Michel Temer receber, em endereço do Governo, Eduardo Cunha, duas vezes réu em processos recebidos pelo Supremo Tribunal Federal, afastado da Presidência da Câmara, suspenso do exercício do mandato parlamentar e prestes a ter este mandato cassado por quebra de decoro parlamentar.”

    O Deputado Pepe Vargas continuou argumentando:

    “Ora, se Temer recebeu Cunha em tais condições, isto mostra o quanto Temer é dependente de Cunha e revela o quanto Temer se tornou refém de Cunha. É inquestionável o poder que Cunha ainda detém na Câmara, mesmo estando fisicamente afastado. E é inquestionável também o quanto ele influencia o Governo de Temer, indicando as lideranças do Governo no Parlamento, além de nomes que compõem o Ministério.”

    Ainda segundo o petista gaúcho, “o diálogo entre Cunha e Temer aconteceu ao fim de uma semana em que houve pouca atividade parlamentar, o que deu a Cunha mais chances e oportunidades para retardar a decisão pela cassação do seu mandato. Então, é lamentável que políticos se reúnam e confirmem esta forte influência que Eduardo Cunha ainda exerce em Brasília junto a quem deve decidir os rumos da nação”.

    De acordo com o Deputado Pepe Vargas, mesmo afastado da Presidência da Câmara, Eduardo Cunha exerce de fato nítida influência junto aos parlamentares:

    “Isto é um total absurdo. Cunha está impedido de exercer o mandato e a Presidência da Câmara, mas nem assim ele deixa de mostrar o seu poder junto a vários parlamentares. É uma influência tão forte que, se o voto ainda fosse secreto no Conselho de Ética, ele passaria imune pela votação e estaria completamente preservado, a salvo da cassação. Mas, como nós do PT conseguimos quebrar a votação secreta e obrigar os deputados a declarar suas manifestações, os parlamentares ficam expostos à opinião pública e assim refletem bastante antes de declarar seu voto. Diante de uma votação aberta, que recomendou o prosseguimento do processo de cassação ao Plenário da Câmara, só restou a Cunha manobrar na Comissão de Constituição e Justiça, na qual o presidente é seu aliado e correligionário, para tentar escapar da cassação. Mas, apesar de toda sua força e influência, dificilmente Eduardo Cunha deixará de perder o mandato.”

    Pepe Vargas comentou ainda o quanto Eduardo Cunha é forte junto ao chamado Centrão:

    “Mesmo aparentemente enfraquecido, Eduardo Cunha tem ascendência sobre boa parte dos integrantes do Centrão, um grupo que reúne vários parlamentares investigados pela Operação Lava Jato. Então, como eles e Cunha estão praticamente na mesma situação, é lógico que Eduardo Cunha não perderá a oportunidade de mostrar quem de fato detém o poder na Câmara.”

    O chamado Centrão reúne parlamentares de 12 partidos (PP, PR, PSD, PTB, PROS, PSC, SD, PRB, PEN, PTN, PHS e PSL). Trata-se de um bloco criado logo após a ascensão de Michel Temer à Presidência da República, com o afastamento de Dilma Rousseff para, conforme determina a lei, responder ao processo de impeachment fora da chefia do Executivo. Calcula-se o efetivo do Centrão, somente com os integrantes desses partidos, em 225 parlamentares. Quando o bloco foi criado, havia uma expectativa de que o PMDB também aderisse, o que elevaria o contingente para 293 deputados, mais da metade da totalidade da Câmara, que é de 513 deputados.  

    Mais:

    Operação Recomeço: ex-advogado de Eduardo Cunha se entrega à Polícia Federal
    STF discute destino de Eduardo Cunha e suas contas na Suíça
    Temer anuncia aumento no Bolsa Família e libera recursos para a Educação
    Tags:
    cassação, presidente interino, quebra de decoro parlamentar, impeachment, Câmara dos Deputados, STF, PMDB, PT, Eduardo Cunha, Michel Temer, Dilma Rousseff, Pepe Vargas, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik