12:00 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Deputado Federal Antonio Carlos Mendes Thame - PV/SP
    Lucio Bernardo Junior/ Câmara dos Deputados

    Corrupção será considerada crime hediondo

    Notícias
    URL curta
    680

    Foi instalada nesta quinta-feira, 16, a Comissão Especial da Câmara que analisa o Projeto de Lei 4.850/16, inspirado na iniciativa dos procuradores do Ministério Público Federal e que estabelece 10 medidas de combate à corrupção e aos crimes contra o patrimônio público.

    Um dos autores do projeto, o Deputado Federal Antônio Carlos Mendes Thame (PV-SP), falou com exclusividade à Sputnik Brasil sobre a iniciativa, afirmando que as medidas irão criar um novo marco no combate à corrupção no país.

    O texto do projeto também determina punições para agentes públicos que se beneficiarem, comprovadamente, de enriquecimento ilícito.

    Nas palavras do parlamentar, “são 10 medidas que atualizam a legislação e permitem que, após o cometimento dos atos ilícitos, os ativos desviados do patrimônio público sejam recuperados mais rapidamente e os responsáveis pelos desvios sejam processados e condenados pela Justiça com maior celeridade e eficiência”. 

    O Deputado Mendes Thame destaca que “o combate à corrupção é uma das unanimidades da população brasileira, que quer ter um Governo que ela admire, um Governo em que a decência, a honradez e a dignidade sejam a regra e não uma exceção. Quando houve essas manifestações, um dos pontos que chamaram muito a atenção foi que, independentemente da posição política, havia um desejo de acabar com a corrupção”.

    O reforço à vontade popular, segundo o parlamentar do PV, veio com a pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas, de São Paulo, revelando que no Brasil se perdem R$ 80 bilhões com superfaturamento de contratos, que são desviados depois com a corrupção.

    “Esse valor é dividido entre os corruptos agentes e representantes de empreiteiras, concessionárias e permissionárias de serviços públicos, que não participam de concursos, violando a Lei n.º 8.666, que é a Lei de Licitação brasileira. Quando percebemos isso, nós preparamos esse projeto para que ele pudesse vir a ter uma tramitação e deixar alguma coisa mais concreta do que essas cassações necessárias dos que delinquiram e da devolução dos recursos aos cofres públicos.”

    O Projeto de Lei 4.850/16 é do Poder Legislativo com inspiração no Ministério Público Federal. O Deputado Mendes Thame conta ter sido ele a apresentar a iniciativa, “por sugestão do próprio Ministério Público Federal, unindo 10 projetos que, por sua vez, unem várias leis. Nós temos aproximadamente 20 leis e não 10. Vinte leis que tapam os buracos legais, portanto fazem um trabalho ex ante, prevenindo a corrupção. E depois também elas aumentam as penas, facilitam a definição dos agentes públicos que delinquirem, sua punição exemplar e a devolução dos recursos roubados para o poder público, e dessa forma fazer com que os recursos públicos sejam destinados à população mais carente, que é aquela que mais precisa das políticas públicas”.

    O Deputado Antônio Carlos Mendes Thame conclui dizendo que “um dos projetos prevê que a corrupção de altos valores seja considerada crime hediondo e, portanto, tenha prerrogativas diferentes e seja um crime que não pode ser afiançável, não possa ter redução das penas”.

    Mais:

    Brasil de Temer ganha 'medalha de ouro para corrupção', diz New York Times
    Moro: ‘Prisão não basta para combater corrupção’
    ‘Pandemia no mundo’: Kerry chocado com o nível da corrupção global
    Tags:
    governo federal, crime hediondo, punição, propina, licitação, corrupção, poder judiciário, FGV, PV, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik