17:18 10 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Notícias
    URL curta
    1041
    Nos siga no

    Após trabalhar nos bastidores para impedir que a Venezuela assuma a presidência rotativa do Mercosul no fim do mês e de criticar a postura do país em relação ao governo Temer, o governo brasileiro oferece agora doação de remédios à Venezuela para amenizar os problemas de abastecimento de diversos produtos que vêm afetando o país.

    A nota, assinada pelo ministro das Relações Exteriores, José Serra, diz que, "como país vizinho, amigo e solidário da nação venezuelana, o Brasil está pronto acolaborar para o atendimento das carências críticas que afetam o país vizinho (…) Estamos dispostos doar medicamentos básicos produzidos por nossos laboratórios públicos, entregando-os a organizações internacionais humanitárias que possam promover sua distribuição", sublinha a nota do Ministério das Relações Exteriores assinada pelo ministro José Serra. Apesar da oferta, o Itamaraty ainda não sabe quais e quantos serão os medicmanetos que serão ofertados a partir da produção de laboratórios nacionais como o Bio-Manguinhos da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

    O pedido de envio de medicamentos foi feito pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores da Assembleia Nacional venezuelana (agora dominado pela oposição), Luis Florido, durante sua visita ao Brasil em fevereiro, quando foi recebido em audiência no Congresso pelo então chanceler Mauro Vieira e José Serra, à época senador pelo PSDB-SP. O pedido foi repetido dias depois ao embaixador brasileiro em Caracas, Ruy Pereira.

    As ajudas humanitárias oferecidas por alguns países têm sido rejeitadas pelo presidente Nicolás Maduro, que os acusa de promover um complô internacional para desestabilizar a sociedade venezuelana.

    Mais:

    Falta de comida provoca confrontos na Venezuela
    OEA ameaça Venezuela de suspensão
    Tags:
    abastecimento, laboratório, remédio, ajuda humanitária, América Latina, Assembleia Nacional da Venezuela, Congresso, Mauro Vieira, José Serra, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar