22:23 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Protesto MTST
    Rovena Rosa/Agência Brasil

    MTST desocupa prédio em SP e comemora vitória na manutenção do Minha Casa Minha Vida

    Notícias
    URL curta
    211

    O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) desocupou na manhã desta quinta-feira, 2, o prédio da Presidência da República no Centro de São Paulo. A ocupação, iniciada na véspera, ocorreu após o Ministério das Cidades informar que não vai suspender o programa Minha Casa Minha Vida, que seguirá sem qualquer interrupção.

    Na quarta-feira, manifestantes do MTST e policiais militares enfrentaram-se em violentos confrontos com o uso de bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta por parte da tropa de choque. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, todos os manifestantes presos já foram liberados e um policial ficou ferido. A imagem da manifestante Érika Sampaio, de 29 anos, sendo derrubada por um integrante da tropa de choque e imobilizada por um golpe de mata leão ganhou repercussão nas redes sociais no Brasil e no exterior. Durante os protestos, os manifestantes picharam algumas paredes e vidros com slogans pedindo a saída do presidente em exercício Michel Temer.

    Guilherme Boulos, da coordenação nacional do MTST, disse que o protesto foi marcado após o anúncio da revogação da contratação de mais 11 mil moradias no Minha Casa, Minha Vida feita nos primeiros dias do governo Temer. 

    "Ontem à noite (quarta-feira, 1º), o ministério se pronunciou que vai recuar e a portaria voltar a valer e as moradias vão ser contratadas. Com isso, e com essa vitória, o movimento desocupou hoje (dia 2) o escritório na Avenida Paulista."

    Segundo Boulos, o movimento vai permanecer mobilizado, vai permanecer nas ruas. 

    "Encerramos a ação no escritório da presidência porque o objetivo foi atingido. O movimento vai permanecer firme contra um governo que consideramos ilegítimo, fruto de um golpe e que está atacando direitos, não só o Minha Casa, Minha Vida. Existe o tema da Previdência, direitos trabalhistas e os demais programas sociais. Isso não quer dizer que os riscos de corte do Minha Casa Minha Vida acabaram."

    O coordenador do MTST classificou a ação policial como vergonhosa, brutal e covarde.

    "(A repressão) Foi feita pela Polícia Militar do Estado de São Paulo a mando do governador Geraldo Alckmin. Eles acharam, pela segunda vez — porque na semana passada fomos à casa do Michel Temer aqui em São Paulo e também fomos reprimidos pela tropa de choque — que o povo recuaria ou seria derrotado pela violência e fracassaram. Saímos de lá hoje de manhã voluntariamente após conquistar a vitória."

    Mais:

    PM lança bombas contra manifestação de estudantes em São Paulo
    Movimento Sem Teto protesta por moradia e paralisa grandes cidades do Brasil
    Tags:
    violência policial, manifestação, ocupação, sem-teto, MTST, Guilherme Boulos, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar