02:32 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Movimento dos Sem Terra (MST)

    MST prevê mais desemprego e maior conflito no campo

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Notícias
    URL curta
    152

    As dificuldades que o governo de Michel Temer terá para recuperar a economia devem produzir mais desemprego e gerar maior conflito no campo. A previsão é do coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra (MST), Gilmar Mauro.

    Em entrevista exclusiva à Sputnik, o dirigente diz que a entidade não reconhece o novo governo, "imposto por um golpe que resultou no impeachment da presidente Dilma", e garante que vai continuar a luta pela reforma agrária e pela manutenção das conquistas obtidas pelos trabalhadores nos últimos anos.

    Com relação aos nomes do novo ministério, anunciados nesta quinta-feira, 12, por Temer, Gilmar Mauro diz que eles refletem a composição esperada dada à política conservadora engedrada pelos partidos políticos que deram base ao golpe.

    "O receituário que Temer vai adotar é o clássico, que vai combinar ajuste fiscal, mais privatizações e perdas das conquistas sociais dos trabalhadores nos últimos anos. Tudo apoiado pelos grandes meios de comunicação, que vão tentar promover um consenso na sociedade. 

    "Como vai haver menos pão, certamente haverá mais circo e maior marginalização dos movimentos sociais", diz Mauro.

    O coordenador nacional do MST diz que, na semana que vem, reuniões vão definir as estratégias de oposição e luta daqui para a frente. Mauro também prevê que o desemprego vai aumentar ainda mais, o que agravará a estabilidade no campo, na medida em que, após o fim do ciclo do pleno emprego vivido nas gestões de Dilma e Lula, a luta pela sobrevivência vai acirrar conflitos rurais.

    Mais:

    Trabalhadores do campo reúnem 6 mil contra o impeachment e pela reforma agrária
    Reforma agrária avança na Amazônia Legal: Governo vai ceder quase 13 milhões de hectares
    Tags:
    campo, reforma agrária, desemprego, impeachment, MST, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar