01:25 19 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Comissão do impeachment em sessão no Senado

    Comissão Pastoral da Terra acredita em reversão de tendência do impeachment no Senado

    Edilson Rodrigues/Agência Senado/FotosPúblicas
    Notícias
    URL curta
    1291
    Nos siga no

    Movimentos sociais alinhados ao governo e contrários ao afastamento da presidente Dilma Rousseff se mostram mais otimistas com o desfecho da apreciação do pedido de impeachment após a defesa feita nesta quinta-feira, 5, pelo avdogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, na Comissão Especial do Senado que estuda a questão.

    O coordenador nacional da Comissão da Pastoral da Terra (CPT), Paulo César Santos, diz que os argumentos de Cardozo para invalidar toda a condução do processo de impeachment, a partir da Câmara, ganha nova força no mesmo dia em que liminar expedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) retira os poderes e afasta Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara, o que traz um importante significado simbológico.

    "A saída de Cunha foi tardia, face às muitas sequelas e articulações que ele promoveu enquanto esteve à frente da Casa. Foi um retrocesso não só para a política, mas para a sociedade como um todo. Não há prova concreta de crime de responsabilidade cometido pela presidente Dilma. Esse processo vem sendo orquestrado pelas grandes elites e por grupos empresariais."

    Para Santos, o afastamento de Cunha e a nova defesa feita pela Advocacia-Geral da União podem levar a uma reversão do julgamento do processo no Senado.

    Mais:

    Juristas defendem no Senado que Dilma não cometeu crime de responsabilidade
    Fala de Nobel da Paz contra impeachment dá em briga no Senado
    Advogada Janaína Paschoal pediu que o Senado considere denúncias de corrupção
    Tags:
    Senado, José Eduardo Cardozo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar