22:33 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio

    Dilma na Bahia: ‘Quem me julga é corrupto’

    Notícias
    URL curta
    2185
    Nos siga no

    Durante entrega de 2.800 unidades habitacionais do programa social Minha Casa, Minha Vida, a Presidenta Dilma Rousseff voltou a dizer nesta terça-feira, 26, desta vez em Salvador, na Bahia, que está sofrendo um golpe – e injustamente.

    Dilma enfatizou que está sendo acusada por um ato que é praticado no país desde 1994 e nunca foi crime antes.

    “Essa conta que a gente faz – eu pago para a Caixa e ela paga para mim – existe desde 1994. Passou 1995, 1996, 1997, chegamos aos anos 2000, passou 2001, 2002, chegamos ao meu Governo, 2011, 2012, 2013, não era crime. Aí, em 2014, em 2015, virou crime. E isso significa o quê? Dois pesos e duas medidas. Significa injustiça.”

    A presidente reafirmou não ter cometido crime de responsabilidade, e que quem a julga, sim, é corrupto, numa referência ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é réu na Operação Lava Jato.

    “Como não acharam nenhum outro motivo, como os crimes que eles praticaram, crimes de corrupção, de que eles são acusados, eles vão ter que responder, eles têm acusação, eu não tenho acusação. O mais estranho é que quem me julga é corrupto. Essa pessoa, que é o presidente da Câmara, é uma pessoa, todo mundo sabe no Brasil, que tem conta no exterior, é acusado pela Procuradoria Geral da República.”

    Ao falar sobre a conquista da democracia no país, que foi, segundo ela, com muita luta, mortes e torturas, Dilma Rousseff ainda ressaltou que impeachment sem crime é uma tentativa de fazer uma eleição indireta por aqueles que não têm voto.

    “Se eles querem chegar ao poder e não têm crime, só têm um caminho: disputem eleições. Vão para frente do povo e digam o que vocês querem, por que eles não dizem? Porque  eles querem chegar, sentar na minha cadeira, mas sem voto.”

    A presidente ainda criticou o programa da oposição, quando os oposicionistas dizem que vão revisitar os programas sociais. Para Dilma, isso significa diminuir a quantidade de dinheiro que o Governo Federal investe contra programas sociais como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida.

    Dilma Rousseff pediu apoio para impedir o prosseguimento do que ela chama de golpe, pois seria um ato contra a democracia do país e contra tudo que o Governo construiu nos últimos 13 anos. Ela finalizou reafirmando que  “a democracia sempre foi e sempre será o lado certo, verdadeiro e correto da história do Brasil”.

    Mais:

    Impeachment: Movimentos no campo estudam opções até de paralisação nacional
    Tags:
    bolsa-família, eleições presidenciais, programas sociais, golpe de Estado, democracia, oposição, impeachment, Procuradoria Geral da República, Câmara dos Deputados, Congresso Nacional, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Bahia, Salvador, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar