11:01 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Funcionários da organização Médicos Sem Fronteiras tratam a pessoa contaminada com ebola na sua facilidade em Kailahun, Serra Leoa, agosto de 2014

    Rússia está pronta para lutar contra doença africana

    © AFP 2018 / CARL DE SOUZA
    Notícias
    URL curta
    Remédio russo contra ebola (15)
    0 41

    Os médicos esperam apenas a permissão das autoridades da Guiné para começar a vacinar os primeiros 2 mil pessoas no país africano, disse na sexta-feira (8) a ministra da Saúde da Rússia, Veronika Skvortsova.

    Na quinta-feira (7) o chefe da Academia Medica Militar, Andrei Belskih, contou sobre o êxito dos ensaios clínicos.

    O comitê ético da Guiné agora está examinando os documentos.

    "Estamos à espera dos resultados. Já temos um plano de ação, sabemos onde e como serão hospedadas as pessoas que vão receber a vacina", disse Veronika Skvortsova.

    A chefe da pasta ressaltou que não só receberão uma vacina aquelas pessoas que tiveram contato com um doente, mas também aquelas que querem evitar a contaminação. Segundo a ministra, estas medidas permitirão confrontar vários tipos de vírus que é diferente mesmo dentro do país.

    Os testes de campo da vacina russa contra o ebola na Guiné são muito importantes, frisou a ministra, já que nos últimos dias no país foram revelados novos casos de infecção, inclusive casos fatais. Apesar da estação fria na África Ocidental o vírus continua espalhando.

    A doença causada pelo vírus ebola — é a infeção aguda virulenta que afeta as pessoas e algumas espécies de animais. A epidemia afetou principalmente três países africanos: a Guiné, a Libéria e a Serra Leo. De acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) foram contaminados 28.600 pessoas, a doença levou mais de 11.000 vidas.

    Tema:
    Remédio russo contra ebola (15)

    Mais:

    Rússia apresenta oficialmente duas vacinas contra o Ebola
    OMS: fim da transmissão do ebola na Guiné
    Ebola: epidemia já matou mais de 10.000 pessoas
    Tags:
    vacina, ebola, Organização Mundial de Saúde, Veronika Skvortsova, Guiné, Serra Leoa, Libéria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik