23:38 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Cristo Redentor - Rio de Janeiro
    Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas

    Alerta Rio 2016: Brasil tem que prestar atenção no terrorismo internacional

    Notícias
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    1481
    Nos siga no

    A homenagem prestada pelo Rio de Janeiro às vítimas dos atentados de terça-feira, 22, em Bruxelas, ao mesmo tempo que recebeu elogios pela sua solidariedade também suscitou manifestações de crítica: o que estamos fazendo para evitar atos terroristas nos Jogos do Rio 2016?

    Da mesma forma que outras grandes cidades do mundo – Paris, Roma, Amsterdã, Berlim, Varsóvia –, o Rio homenageou as vítimas da tragédia belga. A cidade iluminou o Cristo Redentor e o Estádio do Maracanã em vermelho e amarelo, cores que, com o preto, compõem a bandeira da Bélgica.

    Os atentados que deixaram dezenas de mortos e centenas de feridos no aeroporto internacional e numa estação de metrô de Bruxelas chamaram mais uma vez a atenção mundial para a ameaça do terrorismo internacional, em particular nos países que estão para sediar grandes eventos, como é o caso do Brasil, que vai receber os Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016.

    “Nós estamos distraídos com outras coisas e não estamos nos preocupando com essa questão [do terrorismo], que é fundamental”, alerta Ricardo Cabral, professor de Relações Internacionais, colaborador da Escola de Guerra Naval e especialista em assuntos ligados ao extremismo.

    “Olhamos muito para Curitiba [o centro da Operação Lava Jato] e não para as áreas de fronteira [a região de Foz do Iguaçu], áreas onde há grandes populações islâmicas, que têm com certeza membros radicalizados, que não são acompanhados com a devida preocupação a que os eventos de agosto [as Olimpíadas e Paralimpíadas] nos remetem. Isso é preocupante”, diz o especialista.

    O Professor Ricardo Cabral observa que as organizações terroristas “têm um poder de arregimentação muito grande, pela religião, por clérigos radicais, e essa arregimentação ocorre em todo o mundo”.

    “Nós recentemente tivemos a visita de um xeque saudita, Muhammad al-Arif, que andou por São Paulo, Paraná e Santa Catarina, falando com jovens islamizados e fazendo discursos extremamente radicais. Isso foi nas nossas barbas, e nós não fizemos nada. Isso na Europa não passa despercebido, é acompanhado com muito mais atenção.”

    Tema:
    Rio 2016 (253)

    Mais:

    'Vamos atrás deles': Obama diz que manterá campanha contra Daesh após atentados na Bélgica
    Cabeça dos atentados de Paris é preso na Bélgica
    Tags:
    terrorismo islâmico, extremismo islâmico, Cristo Redentor, atentados, religião, islamismo, Ricardo Cabral, Amsterdã, Varsóvia, Roma, Bruxelas, Bélgica, Berlim, Rio de Janeiro, Paris, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar