07:09 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Rublos

    Economistas: Depreciação das moedas de países emergentes vai continuar

    © Sputnik/
    Notícias
    URL curta
    264060

    “Os bancos centrais dos países emergentes exportadores de commodities – como Brasil, Rússia, Venezuela e Chile, por exemplo – devem procurar não interferir no câmbio, apesar das fortes desvalorizações de suas moedas observadas nos últimos meses.” A opinião é do economista Robson Gonçalves, professor da Fundação Getúlio Vargas.

    O crescimento mais moderado da China, a fraca retomada da economia mundial, após a crise de 2008, entre outros fatores, têm depreciado a cotação das matérias-primas e induzido à desvalorização cambial nesses países. Depois de o real oscilar durante os anos recentes na faixa dos 2,50 por dólar, a moeda americana já é cotada acima dos R$ 4,10. O dólar – que passou de 2000 a 2014 na faixa entre 28 e 35 rublos – é negociado agora na casa dos 80. O mesmo acontece em outros países, como Chile e Venezuela.

    Para Robson Gonçalves, economista da FGV, a taxa de câmbio é um preço determinado por oferta e demanda.

    “Toda vez que se tenta interferir nessa cotação, acaba se criando ganhos de um lado e perdas de outro. A autoridade monetária só deve intervir para evitar grandes oscilações e movimentos especulativos”, diz Gonçalves, para quem a depreciação das moedas desses países é um mecanismo de defesa natural do câmbio. “Se o dólar for caminhando para R$ 5 no Brasil ou 90 rublos na Rússia, os bancos centrais não devem interferir.”

    A desvalorização das commodities tem sido expressiva. O barril de petróleo, que era cotado na faixa de US$ 96 em setembro de 2014, chegou esta semana a US$ 23. Em relação às commodities agrícolas, de janeiro a novembro do ano passado o Brasil exportou 7,8% mais em volume, mas com queda de 45,6% no valor dos embarques. Já a soja cresceu 19,2% em volume, e teve cotação 9,6% menor.

    Segundo o economista da FGV, nem cotações de barril de petróleo acima de US$ 100 ou abaixo de US$ 30 são viáveis e desejáveis. Para ele, a queda nas cotações, de forma geral, é um movimento natural de descenso após anos de forte valorização e da demanda puxada durante anos pela China, que exibia taxas de crescimento de dois dígitos.

    Para Tatiana Pinheiro, economista do Santander, o quadro atual de commodities mais baratas e depreciação das moedas dos países emergentes deve continuar este ano, com menos força, porém, no caso do Brasil. Segundo ela, isso é resultado do fortalecimento da economia americana, da elevação dos juros nos EUA e do menor crescimento da China.

    “No ano passado, a valorização do dólar sobre o real foi de 40% em termos nominais e de 30% em termos reais. Se tivermos novas depreciações este ano, elas serão mais brandas”, diz Tatiana Pinheiro, para quem o Banco Central brasileiro tem adotado, desde 2015, uma política correta de só interferir no câmbio para evitar oscilações muito bruscas.

    A economista do Santander prevê que o movimento de baixa das commodities vai continuar este ano, afetando países exportadores como Brasil, Chile, Venezuela, Peru, Rússia, Austrália, Canadá e Nova Zelândia.

    “No nosso caso, isso vai se refletir também no desempenho das empresas. Cerca de 60% das nossas exportações são de commodities, e na Bolsa de Valores quase 50% das ações negociadas pertencem a companhias desse ramo."

    Mais:

    Com uso de moedas nacionais, comércio russo-chinês pode atingir US$ 100 bilhões
    Previsão de crescimento da economia mundial em 2016: Banco Mundial reduz as expectativas
    Tags:
    países emergentes, Dólar, valorização, depreciação, commodities, economia, barril, petróleo, Bolsa de Valores, FGV, Nova Zelândia, Canadá, Austrália, Rússia, Peru, Venezuela, Chile, Brasil, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik