11:33 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Notícias
    URL curta
    15192
    Nos siga no

    As críticas do presidente argentino Mauricio Macri em relação à Venezuela parecem ter sido retórica da campanha eleitoral, que encerrou um ciclo de mais de 12 anos do kirchnerismo na Argentina. A opinião é do coordenador da Associação Brasileira de Consultores Políticos (ABCOP), Caio Manhanelli.

    Manhanelli diz que as declarações das diplomacias brasileira e argentina confirmam a tese. Reunidos em Buenos Aires, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, e a ministra argentina Susana Malcorra anunciaram que os dois países estão plenamente de acordo, que as discussões entre Legislativo e Executivo na Venezuela são uma questão interna em andamento a qual não permite qualquer tipo de ingerência externa.

    “Estamos seguros de que, assim como aconteceu nas eleições legislativas (dezembro), a vontade do povo será acatada por todos e pelo Governo”, disse Vieira.

    O coordenador da ABCOP diz que, neste momento, a Argentina tem muito mais interesse estratégico de se aproximar do Brasil e do Mercosul – até para se reerguer economicamente –, do que bancar uma política de confronto com o Governo do presidente Nicolás Maduro.

    “O Brasil é o bastião de ouro do Mercosul, somos, de fato, o líder regional. Podem falar mal do país, da crise, mas ninguém pode questionar que somos o grande fornecedor de recursos para as regiões de fronteira.”

    Manhanelli lembra que a nova postura diplomática da Argentina com a Venezuela deve ser vista também pelo fato de que a chanceler Susana Malcorra teve uma larga experiência ocupando cargos na secretaria-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) de onde herdou a postura de maior habilidade diplomática. O consultor observa ainda que o grau de politização na Argentina é um dos mais elevados na América Latina.

    “Até por questões de linguística, cultural e de ideais comuns de independência, os hispânicos tendem a ser bastante integrados na América Latina. Divergências à parte, desde as crises econômicas sofridas nas últimas décadas, os argentinos têm a consciência que dependem economicamente dos seus vizinhos. Dentro dessa visão, não faz sentido que o convívio com a Venezuela, que fica longe, atrapalhe as relações da Argentina com o Brasil.”

    Outro especialista que concorda com a mudança de enfoque da Argentina com a Venezuela é o presidente da Sociedade Brasileira de Direito Internacional, Antonio Celso Alves Pereira, também professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade do Rio de Janeiro (Uerj). Pereira diz que ainda é cedo para se chegar a uma conclusão, mas que a mudança de relacionamento fortaleceria o Mercosul, bloco que, em sua opinião, precisa destravar as negociações com outras parcerias importantes, como com a União Europeia (UE), que se arrastam há vários anos.

    “Estamos perdendo mercado em um momento em que o comércio internacional atravessa um período difícil, a OMC (Organização Mundial do Comércio) continua sem conseguir destravar a Rodada Doha, de liberalização das trocas, e surgem novos blocos competidores, como o Tratado de Livre Comércio Trans-Pacífico (TTP). Brasil e Argentina são as maiores potências econômicas do Mercosul, têm economias complementares, e por isso mesmo devem se entender, para que o próprio Mercosul seja um instrumento de promoção e liberalização econômica.”

    Mais:

    Movimentos sociais derrotam Macri na Justiça e mantêm Lei da Mídia na Argentina
    Tags:
    livre comércio, relações exteriores, economia, TTP, UERJ, OMC, UFRJ, União Europeia, Mercosul, ONU, Susana Malcorra, Mauricio Macri, Nicolas Maduro, Mauro Vieira, Venezuela, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar