23:48 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio

    Ministro Fachin entrega aos colegas do STF a análise do voto sobre impeachment

    Notícias
    URL curta
    652
    Nos siga no

    O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin entregou nesta terça-feira, 15, aos demais ministros da Corte a minuta com sua análise do voto que vai dizer no julgamento de amanhã, em plenário, da ação do PCdoB que questiona o rito de impeachment contra a Presidenta Dilma Rousseff.

    O documento, com cerca de 100 páginas, foi entregue na tarde desta terça-feira, antes da Sessão das Turmas do Tribunal. Edson Fachin entregou pessoalmente a cada um dos ministros um  envelope com sua análise. O ministro disse ainda aos colegas que está aberto a discussões.

    Líderes de oposição na Câmara dos Deputados também se reuniram hoje com o Ministro Edson Fachin para falar sobre as regras da tramitação do pedido de abertura do processo de impeachment presidencial. Os parlamentares fazem parte da chapa alernativa eleita para a Comissão Especial que vai analisar o processo de impedimento. Durante a reunião no Supremo Tribunal Federal, os líderes de oposição entregaram ao Ministro Fachin um documento com as principais observações do DEM, do PSDB, do Solidariedade e do PPS sobre a questão.

    Após se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros, na segunda-feira. 14, o ministro da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams, disse que está otimista sobre o resultado do julgamento do Supremo Tribunal Federal.

    “Vai poder estabelecer um padrão, uma parametrização importante para esse processo”, comentou Adams. “De forma que o resultante dele seja realmente produto de um debate que valorize o devido processo legal, que valorize a dimensão jurídica do Direito que existe nesse processo, que não é um processo só político. Não é uma decisão de conveniência e oportunidade, é uma decisão de julgamento, que é feita nos parâmetros rígidos da lei.”

    O Planalto, enquanto isso, se mobiliza para conseguir cada vez mais adesões contra o processo de impeachment presidencial. Ainda na segunda-feira, a presidente recebeu o apoio de um grupo de prefeitos de 14 capitais. Através de uma carta, os prefeitos se manifestaram contra o acolhimento do pedido de abertura do impeachment pela Câmara.

    Para esta quarta-feira, 16, está previsto que o julgamento sobre o rito do impeachment deverá ser o primeiro item da pauta de sessões do STF,  que está marcada para as 14 horas. Os ministros do Supremo vão analisar o pedido do PCdoB para anular o acolhimento do pedido de impeachment presidencial aceito no início do mês pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e também definir o rito que o impeachment deverá seguir. Na ação do PCdoB, o partido alega que a Presidenta Dilma deveria ter tido a chance de defesa, além de contestar a eleição da Chapa alternativa, por voto secreto, para a Comissão Especial que vai analisar o processo do impedimento.

    Para a Câmara, segundo o seu presidente, todos os procedimentos realizados até agora são legítimos, e o Senado deve apenas julgar o processo. Já na ação do PCdoB, o Senado, o Planalto e Procuradoria-Geral da República defendem que o Senado poderá alterar a decisão da Câmara e arquivar o pedido de impeachment contra a Presidenta Dilma Rousseff.

    Mais:

    'Mini-festações' pró-impeachment viram piada no Twitter
    Wadih Damous: Ao paralisar processo de impeachment, STF agiu contra golpistas
    Tags:
    julgamento, impeachment, Procuradoria Geral da República, Supremo Tribunal Federal, Senado Federal, Câmara dos Deputados, Luís Inácio Adams, Luiz Edson Fachin, Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar