14:22 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    0 120
    Nos siga no

    Durante a maior parte de sua vida, uma mulher neozelandesa sofreu de dores no lado direito de seu nariz, até o dia em que precisou fazer um teste PCR.

    Mary McCarthy, empregada de cozinha de um hospital na Nova Zelândia, há muito que se acostumou às dores em seu nariz, e até já tinha aceito que muito provavelmente nunca viria a respirar com normalidade. Porém, com o início da pandemia em 2020, seus problemas respiratórios começaram a se tornar mais graves.

    Deste modo, e por trabalhar em um hospital, em outubro do ano passado McCarthy realizou um teste PCR para ver se estaria também infectada com COVID-19.

    Depois disso, suas dores aumentaram e começou a desenvolver graves problemas nasais. Mary contou que seu nariz "pingava constantemente e tinha muitas dores".

    Após pedir opinião a vários clínicos gerais, sua condição foi atribuída a uma infecção crônica nos seios paranasais. Porém, recentemente, McCarthy voltou a sentir dores fortes, e decidiu recorrer às urgências do hospital onde trabalha.

    "Felizmente, a enfermeira e o médico acreditaram que se tratava de algo mais do que dor nos seios paranasais", comentou a mulher. McCarthy disse então que lhe tinham perguntado se alguma vez teria metido algo dentro do nariz.

    Tiddlywink ficou enfiado em nariz de mulher de Christchurch por 37 anos

    Uma tomografia computadorizada revelou a presença de um objeto na parte superior do nariz. Ao saberem disso, McCarthy teve de ser submetida a uma operação, na qual o pequeno objeto foi empurrado ainda mais para dentro de seu nariz para depois ser extraído através da boca. O teste PCR teria desprendido o objeto de onde permaneceu por quase quatro décadas, mas isso fez com que começasse uma infecção.

    O objeto finalmente liberado era um pequeno token que foi parar dentro do nariz de Mary há 37 anos.

    Parece que quando McCarthy tinha oito anos, ela e seus irmãos passavam muito tempo jogando jogos de tabuleiro que, por sua vez, teriam várias peças de plástico pequenas. Em algum momento, as crianças se teriam aborrecido e decidiram soprar os tokens com seus narizes.

    McCarthy, por sua vez, teria inalado o pequeno token, que ao longo do tempo caiu no esquecimento e se instalou dentro do organismo de Mary por quase quarenta anos.

    Mais:

    Nova Zelândia diz estar 'incomodada' com expansão dos 5 Olhos, conta mídia
    Senadores protocolam notícia-crime contra Bolsonaro no STF e pedem prorrogação da CPI da Covid
    Polícia salva e multa 2 homens nus perdidos em mata na Austrália após serem assustados por cervo
    Tags:
    COVID-19, objeto, mulher, hospital, Nova Zelândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar