10:48 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    3610
    Nos siga no

    Um monge tailandês decapitou-se usando uma guilhotina como uma oferenda a Buda na esperança de reencarnar em um "ser espiritual superior".

    Segundo informações, o monge Thammakorn Wangpreecha, de 68 anos de idade, passou mais de cinco anos planejando este ritual bizarro de sacrifício, escreve Daily Mail. 

    Para Wangpreecha, a oferenda à divindade lhe traria boa sorte na vida pós-morte – uma crença conhecida no budismo como "obtenção de méritos", um conceito considerado fundamental para a ética budista.

    O monge foi encontrado morto em 15 de abril no tempo Wat Phu Hin, na província tailandesa de Nong Bua Lamphu.

    ​Monge budista corta sua cabeça com uma guilhotina para agradar Buda e reencarnar em um "ser espiritual superior".

    O corpo do monge foi descoberto por seu sobrinho que contou que o seu tio deixou uma mensagem em uma laje de mármore.

    "Na sua mensagem ele dizia que cortar sua cabeça era uma maneira de elogiar Buda. Na carta, ele disse que passou cinco anos planejando este [sacrifício]", contou o sobrinho.

    "Seu desejo era oferecer sua cabeça e sua alma para que o Senhor pudesse ajudá-lo a reencarnar na próxima vida como um ser espiritual superior", acrescentou.

    Supostamente, o monge usou uma guilhotina improvisada ao lado de uma estátua budista de deus para que a figura religiosa parecesse estar segurando sua cabeça depois de cortada.

    O monge, que passou 11 anos vivendo no templo, teria relatado a outros sacerdotes sua vontade de deixar a vida monástica, mas sem dar detalhes de como faria.

    Mais:

    Máscara de ouro e mais 500 artefatos são descobertos em fossos de sacrifício na China (FOTOS, VÍDEO)
    Agricultor descobre na Índia estátua milenar de uma das religiões mais antigas do país (FOTO)
    Crânios são encontrados em poços de sacrifício de 3 mil anos em antiga capital chinesa (FOTOS)
    Tags:
    Tailândia, Buda, budistas, monges, sacrifícios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar