18:16 26 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Homem registra o momento em que uma cobra de três metros consome uma cacatua pendurada no telhado da casa, no norte de Queensland.

    Gary Montagner, morador de Cairns, no norte de Queensland, Austrália, tomou um susto ao perceber que tinha uma cobra pendurada na calha de sua casa. Apesar da surpresa, Montagner não deixou de fazer um registro da inusitada situação: a cobra estava pacientemente devorando uma cacatua.

    "Ciclo da vida da natureza capturado pela câmera!", publicou Montagner juntamente com as imagens, acrescentando que outras cacatuas grasnavam, "angustiadas" com o triste fim da colega.

    De acordo com Montagner, a cobra não teve nenhuma pressa em degustar o almoço e levou cerca de duas horas para acabar a refeição.

    "Sabíamos que às vezes uma píton entrava em nosso telhado […]. Elas entram onde o telhado encontra a calha, por um buraco do tamanho de uma polegada […] Elas esperam perto do comedouro de pássaros", explica Montagner ao tabloide Daily Mail.

    Certas espécies de píton são conhecidas por comer animais do tamanho de cangurus nessa parte da Austrália. Esta que devorou uma cacatua inteira tinha cerca de três metros, relata o autor das imagens.

    "Gostamos de animais. Não queremos [a cobra] morta ou removida, é apenas parte da natureza aqui em cima", garante Montagner.

    Esta semana, também em Queensland, uma mulher registrou o momento em que uma cobra, pendurada em uma árvore, comia um grande morcego.

    Mais:

    Píton presa a poste com fita isolante é resgatada por apanhador de cobras (VÍDEO)
    Píton de 3 metros surge em para-brisa de carro e deixa passageiros em pânico na Austrália
    Píton ataca e estrangula galinha na Austrália deixando em choque população local (VÍDEOS)
    Lagarto com 'olho maior que a barriga' regurgita píton indigesta em Singapura
    Tags:
    Queensland, Austrália, Cobra, píton, cacatua, pássaros
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar