04:49 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    No vídeo, o peixe caminha lentamente, metodicamente, enquanto caça presas. Essa espécie sobrevive principalmente a base de pequenos caranguejos, moluscos e outros peixes.

    O especialista marinho Mickey Charteris flagrou um Ogcocephalus nasutus, também conhecido como peixe-morcego de nariz curto, andando no fundo do mar, perto da ilha de Roatán, Honduras, relata o portal India Times.

    ​O experiente mergulhador Mickey Charteris registrou imagens de um estranho peixe que "caminha" no fundo do mar usando suas nadadeiras como pernas. A espécie, conhecida como peixe-morcego ou peixe-demônio, geralmente "caminha" em busca de presas, como caranguejos e peixes pequenos

    Apesar de passar anos catalogando e narrando a vida marinha na região, o especialista marinho disse que a criatura excêntrica é a mais estranha que já encontrou.

    "Este é, sem dúvida, o peixe mais estranho do Caribe […] Parece um pedaço de esponja marrom que acasalou com um unicórnio […] Ele caminha lentamente em busca de presas como caranguejos e pequenos peixes, mas pode nadar com a cauda se ficar assustado", comentou Charteris.

    Ao contrário da maioria dos peixes, O. nasutus não tem bexiga natatória, o órgão cheio de gás que permite que esses animais flutuem sem nadar. "Portanto, eles devem permanecer no fundo, sem controle de flutuabilidade […] Isso os mantém no chão, perto das presas", explica Charteris.

    A espécie pode ser encontrada em regiões do Oceano Atlântico com pouca visibilidade. O. nasutus mede até 38 centímetros e é assexuado.

    Mais:

    Peixe de águas subterrâneas encontrado na Índia é 'fóssil vivo' (FOTO)
    Pescador fisga robalo e se depara com cobra na boca do peixe (FOTO)
    Peixe com cara de emoji assustado é fisgado na Tailândia
    Barbatanas de espécie de peixe possuem sensibilidade similar à dos dedos de primatas, diz estudo
    Tags:
    oceano Antártico, Honduras, mar do Caribe, peixe
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar