11:08 04 Março 2021
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    1190
    Nos siga no

    Tripulação de navio russo encontra acidentalmente submarino da época da Segunda Guerra Mundial naufragado em circunstâncias ainda pouco claras.

    O submarino foi encontrado durante um estudo sísmico no mar. Inicialmente, a tripulação que o descobriu não sabia do que se tratava, os contornos do objeto no fundo do mar eram semelhantes aos de um submarino, embora não aparecesse nos mapas. Os especialistas em munições não detonadas também não possuíam qualquer informação.

    Segundo a mídia russa Lenta.ru, os marinheiros, ao não obterem uma resposta clara sobre a descoberta, consultaram seus colegas noruegueses. Estes informaram que haviam descoberto o local em 2017, mas recomendaram que não fosse realizado qualquer tipo de trabalho na área.

    ​Marinheiros encontram submarino da Segunda Guerra Mundial perdido em circunstâncias misteriosas.

    O autor do blog onde a descoberta foi inicialmente publicada considera que é muito provável que se trate de um submarino polonês que desapareceu em junho de 1940.

    Antes do desaparecimento em 1939, o submarino foi tomado por uma tripulação da então ocupada Polônia e teria navegado com destino à costa da Estônia. Quando as autoridades da Estônia tentaram prender a tripulação, esta teria resistido e fugido a bordo do submarino para o Reino Unido.

    O destino do submarino após a fuga ainda não é totalmente claro. Segundo uma versão, o navio continuou servindo no Reino Unido e teria sido afundado pelos alemães quando fazia uma incursão no mar do Norte, após os nazistas interceptarem as negociações dos britânicos.

    Mais:

    Descoberta de ossos de 'gigante' do século III choca arqueólogos na Itália (FOTO)
    Descoberto no México altar pré-hispânico a deus do submundo (FOTOS)
    Fazenda viking é descoberta em meio à construção urbana na Suécia (FOTOS)
    Tags:
    Segunda Guerra Mundial, marinheiros, Marinha, descoberta, submarinos, submarino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar