19:06 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    2191
    Nos siga no

    Com a ajuda do Google Earth, internauta encontra estrutura na Antártica que parece "navio de gelo", despertando teorias da conspiração sobre o significado do achado.

    Foram compartilhadas no YouTube imagens de uma misteriosa estrutura de gelo ao sul da Nova Zelândia. Segundo o tabloide Daily Mail, a descoberta foi feita por um internauta usando o Google Earth e está situada em um iceberg a cerca de 160 quilômetros da costa da Antártica.

    ​O usuário do Google Earth encontra "navio de gelo de 120 metros" na costa da Antártica – desencadeando conspiração bizarra

    No início, o vídeo mostra um grande pedaço de gelo elevando-se acima da paisagem branca. De repente, quando a imagem muda para visualização 3D, parece exatamente com um navio. "Parece o contorno de um navio [...] um navio de gelo, se você quiser [...] um iate de 120 metro [de comprimento] parado na costa da Antártica", comenta o autor do vídeo, citado pela mídia.

    De fato, a enorme estrutura de gelo tem uma notável semelhança com um navio de cruzeiro, com janelas e chaminés. A descoberta gerou uma série de teorias da conspiração. Nos comentários do vídeo há quem creia que exploradores abandonaram a embarcação ou que se trata de uma nave alienígena.

    Outros acreditam que, na verdade, a estrutura era uma base nazista secreta, enquanto outros comentadores argumentam que mais trabalho investigativo deve ser feito na região, uma vez que a Antártica pode revelar segredos sobre civilizações antigas.

    Mais:

    Mistério de sinais de rádio da Antártica é desvendado por pesquisadores
    Revelada espécie do maior ovo fossilizado da era dos dinossauros encontrado na Antártica (FOTO)
    Cientista explica misteriosas anomalias encontradas em gelo antártico
    'Alienígena de 22 metros' é visto por conspiracionista na Antártica pelo Google Earth (FOTO)
    Tags:
    YouTube, Google Earth, Nazismo, Antártica, navio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar