21:12 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    Uma moradora de Singapura compartilhou o vídeo de uma cobra-rei de quase dois metros de comprimento, que estava perambulando pela cidade, no momento de compras da singapuriana.

    "Cobras-rei são muito raras em Singapura por preferirem áreas mais florestadas. É também bastante provável que a serpente tenha entrado e se perdido na zona residencial da cidade", afirmou Kalai Balakrishnan, subchefe-executivo da Sociedade de Pesquisa e Educação sobre Animais (ACRES, na sigla em inglês), revela portal local Coconuts.

    ​Eu estava indo ao supermercado quando esta menina grandalhona surgiu do nada no meu caminho. A natureza está se curando e nós somos o vírus. Eu liguei para o Departamento de Parques e Animais e fui aconselhada pela polícia, mas eles são demorados demais para responder.

    Além disso, o subchefe acrescentou que a cobra-rei tentou se esconder em um dos buracos no solo, mas, felizmente, a equipe de resgate conseguiu agarrá-la antes que ela pudesse sumir completamente.

    ​A cobra estava espantada e era forte. O grande homem da ACRES resgatou a serpente do buraco que esta começou a cavar. Ele demorou algum tempo para conseguir retirá-la. Falamos com a ACRES, e os colaboradores disseram que primeiro o réptil será examinado e só depois será libertado na floresta.

    As cobras-rei são altamente venenosas e podem ser encontradas em toda a região do Sudeste Asiático. Elas caçam outras cobras e ocasionalmente lagartos e roedores. No entanto, esta espécie tem má reputação de matar seres humanos que entram em seu caminho.

     

    Mais:

    Descoberto fóssil de serpente dona de visão infravermelha de 48 milhões de anos (FOTO)
    Serpente-tigre supervenenosa tenta atacar furiosamente capturador após ser libertada (VÍDEO)
    Serpente 'possuída' dá diversos botes em resgatador depois de invadir armário
    Tags:
    Sudeste Asiático, vida selvagem, Singapura, réptil, serpentes, cobra venenosa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar