14:53 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    131
    Nos siga no

    Moradores do vilarejo indonésio de Teluk Lanus mataram crocodilo de três metros por ter atacado até a morte local enquanto este pescava em delta de rio.

    O ataque mortal aconteceu na noite do último domingo (26) no delta do rio Lakar, enquanto Syafri, de 55 anos de idade, estava pescando.

    Ao perceber Syafri em perigo, um de seus amigos começou a gritar por socorro. Em seguida, equipes de resgate começaram a buscar o homem que ficou desaparecido logo após o ataque de crocodilo, publicou o tabloide Daily Mail.

    Uma perna decepada foi encontrada logo pela manhã seguinte ao ataque.

    O crocodilo também foi capturado por locais que decidiram matá-lo com uma arma de fogo e abrir as vísceras do animal, como visto nas fotos a seguir.

    Moradores de vilarejo abrem crocodilo assassino e põem para fora restos de seu amigo na Indonésia

    Ao abrirem o réptil, partes do corpo de Syafri foram encontradas dentro do crocodilo.

    Local perigoso

    Comentando o caso, Heru Sutmantoro, chefe da Agência de Conservação de Recursos Naturais da província indonésia de Riau, declarou à mídia:

    "Nós estamos há muito tempo avisando as pessoas para evitarem o habitat do crocodilo-de-água-salgada e terem cautela no entorno desta área."

    Ainda segundo Sutmantoro, a região já registrou ataques semelhantes, ao passo que criticou a decisão de locais de matar o animal.

    Crocodilos-de-água-salgada são protegidos por lei na Indonésia, mas as autoridades de preservação ambiental ficaram impotentes diante da multidão que decidiu matar o réptil e abri-lo na busca de seu amigo.

    Mais:

    Jacaré 'grandalhão' causa confusão ao atravessar cruzamento na Flórida (VÍDEO)
    Jacaré é resgatado após invadir concessionária de veículos em Salvador (VÍDEOS)
    Jacaré de 2 metros aparece e deixa moradores preocupados em Sergipe (VÍDEO)
    Tags:
    Indonésia, morte, vítima, ataque, crocodilo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar