22:05 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Jiboia-constritora de 2 m é encontrada por resgatador após longas buscas em terreno baldio na cidade australiana de Sydney.

    Tudo começou quando o resgatador de cobras Cory Kerewaro recebeu uma chamada sobre a presença de cobra em um terreno baldio no bairro de Austral, em Sydney, Austrália.

    A chamada foi acompanhada do envio de uma foto que mostrava uma jiboia-constritora no local.

    Ao chegar ao sítio, o homem iniciou uma minuciosa busca no terreno com mato pela altura dos joelhos.

    Contudo, os esforços de Kerewaro pareciam ter sido em vão, visto que não encontrou nenhuma cobra e foi embora.

    Porém, ao insistir na busca, o resgatador voltou ao local no dia seguinte e encontrou o réptil.

    "Esse animal era maior do que o que recebemos [na foto]", contou Kerewaro ao tabloide Daily Mail.

    Com dois metros de comprimento, a jiboia-constritora, surpreendeu o resgatador.

    "Depois que eu encontrei [a cobra] eu contatei os donos e os informei que a encontramos, mas não a outra [da foto], parece que alguém teria jogado fora esses animais", declarou o homem.

    Cobra estrangeira

    É sabido que a jiboia-constritora é natural da América Central e do Sul. Embora ela não seja peçonhenta, sua mordida pode causar a transmissão de diversas bactérias, pondo em risco outros animais.

    "Qualquer espécie não nativa da Austrália que pode carregar doenças e parasitas são ilegais. Não passando por quarentena e traficadas, elas devem ser eutanasiadas”, afirmou.

    Kerewaro pretende voltar ao local para buscar a jiboia-constritora que inicialmente foi lhe mostrada na foto.

    Mais:

    Mulher encontra cobra de 4 metros em banheiro na Tailândia
    Dia de fúria: cobra venenosa parte para cima de capturador na Índia (VÍDEO)
    Kate Middleton é desafiada a pegar cobra e não deixa desafio de lado (VÍDEO)
    Tags:
    Sydney, terreno, captura, serpentes, Cobra, Austrália, jiboia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar