00:40 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    363
    Nos siga no

    Marinha dos EUA considera que abertura de arquivos sobre OVNIs poderia causar sérios danos à Segurança Nacional, enquanto reconhece existência de OVNIs.

    Enquanto conspiracionistas acreditam que as Forças Armadas americanas utilizam tecnologia alienígena para o desenvolvimento de seus armamentos, uma carta da Marinha dos EUA classificou como "seriamente perigosa" a abertura de arquivos do país sobre aparições de OVNIs.

    Conforme publicou o canal de TV Fox News, a carta escrita pela Marinha americana foi a resposta a um pedido de abertura de arquivos sobre OVNIs feito pelo pesquisador Christian Lambright ao Escritório da Inteligência Naval dos EUA (ONI, na sigla em inglês).

    "Uma revisão destes materiais [pedidos por Lambright para serem abertos] indica que [estes] atualmente são marcados e classificados como Arquivos Secretos sob a Ordem Executiva 13526, e a Autoridade Classificatória Original determina que a publicação de tais materiais poderia causar danos consideravelmente graves à Segurança Nacional dos EUA", diz a carta da Marinha dos EUA publicada no blog UFOs –Documenting The Evidence.

    Caso USS Nimitz

    O pedido de Lambright se deu ainda em outubro de 2019, ao passo que a Marinha dos EUA reconheceu que em três vídeos ligados à instituição são vistos OVNIs.

    Em um deles é possível ver um objeto voador de formato alongado filmado a partir da câmera de um caça F-18 pertencente ao porta-aviões americano USS Nimitz.

    Na ocasião, o OVNI foi filmado em 2004 próximo à embarcação militar.

    Mais:

    Ataque alienígena? OVNI é avistado 'sondando' Estados Unidos (VÍDEO)
    Melhores planetas para vida alienígena são revelados por cientistas
    Vida alienígena poderia ser encontrada em asteroides neste ano, segundo cientistas
    Tags:
    USS Nimitz, Marinha dos EUA, ET, extraterrestre, alienígena, OVNI, EUA, segurança nacional
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar