23:44 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    151
    Nos siga no

    A sucuri provocou medo em banhistas em um balneário do rio Paraná, mas não é uma espécie venenosa, e foi cuidadosamente apanhada para ser devolvida ao seu habitat original.

    Banhistas estavam descansando no balneário municipal de Piedras Blancas, no rio Paraná, Argentina, quando da água surgiu uma serpente grande, momento que foi gravado em vídeo.

    Aterrorizadas, as pessoas que estavam passando o verão pediram às outras para sair rapidamente do rio. Já fora do vídeo, chegaram salva-vidas, que capturaram cuidadosamente a cobra, e averiguaram que a espécie de anaconda a que pertencia estava em perigo de extinção.

    Uma anaconda-amarela gerou medo no balneário de Piedras Blancas.

    "Algumas pessoas que estavam desfrutando das nossas praias no fim de semana passado ficaram alarmadas com o aparecimento da sucuri-amarela. Diante desta situação, a equipe de salva-vidas agiu imediatamente, capturando-a e depositando-a em segurança na reserva natural de El Brete, que é uma área protegida", relatou o líder comunitário de Piedras Blancas, Jorge Fabricio Gino Mesquida.

    Segundo explicou o biólogo Alfredo Berduc, este tipo de cobra vem do norte, "onde as temperaturas lhe dão uma chance de se reproduzir", então deve ter chegado ao local em um trevo, porque o rio estava subindo.

    "Seu nome científico é Eunectes Notaeus, também é chamada de anaconda-amarela", explicou o biólogo Alfredo Berduc. "É uma jiboia que a esse tamanho não representa qualquer perigo. Se assediada, pode morder, mas não tem veneno e não é perigosa para os humanos", disse Mesquida.

    Depois de capturada, a equipe de salva-vidas levou a serpente à reserva natural de El Brete, uma área protegida, contou o líder comunitário de Piedras Blancas.

    Mais:

    Píton devora gato de estimação na Austrália (FOTO)
    Píton devora pato de estimação na Austrália (FOTO)
    Píton gigante engole javali e repousa em riacho na Tailândia
    Tags:
    serpentes, píton, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar