21:02 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    1101
    Nos siga no

    A descrição do vídeo afirma que ele apresenta imagens do Google Earth que alegadamente "despertam um profundo interesse e surpresa", tanto entre cientistas como entre ufólogos.

    A extensão congelada da Antártica, o inóspito continente enigmático que antes atraiu a atenção de teóricos da conspiração e caçadores de OVNIs em mais de uma ocasião, aparentemente chamou mais uma vez a atenção de usuários curiosos do Google Earth, que avistaram o que parece ser uma estrutura em forma de disco presa no gelo.

    O enorme semicírculo apresentado em um vídeo do YouTube, subido pelo usuário Sandra Elena Andrade, parece estar junto de um penhasco, ou quiçá sobressaindo de baixo dele. O canal também contém uma série de outros fenômenos estranhos avistados nos mapas digitais da Antártica, embora a veracidade das filmagens não tenha podido ser imediatamente verificada.

    "Imagens misteriosas capturadas pelo Google Earth despertam um profundo interesse e surpresa tanto no ambiente científico como ufológico", diz a descrição, afirmando que "as imagens da NASA são grandes evidências que devem ser investigadas e levadas ao conhecimento da população".

    A descrição do vídeo também observa que o vídeo é na verdade uma "apresentação do pesquisador argentino Marcelo Irazusta".

    No início deste mês, um usuário do Google Maps anunciou a descoberta de um objeto misterioso semelhante a uma aeronave em território antártico.

    Em 14 de dezembro glaciologistas norte-americanos compuseram um mapa topográfico detalhado de Antártica que permitiu descobrir o ponto mais profundo da Terra não coberto por água.

    Mais:

    Veleiro russo chega ao Rio para comemorar 200 anos da descoberta da Antártica (FOTOS, VÍDEO)
    Grandes concentrações de cloro radioativo são achadas na Antártica
    VÍDEO mostra como 'rios' de água morna mudam paisagem da Antártica
    Tags:
    OVNI, Google Maps, Antártica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar