03:11 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo insólito
    URL curta
    392
    Nos siga no

    Arqueólogos britânicos quebraram por acidente três ovos de 1.700 anos durante escavações, ativando a mais antiga ‘bomba de mau cheiro’ do mundo.

    De acordo com o jornal britânico Metro, os ovos estavam intactos em uma cesta no interior de um poço inundado desde a época romana.

    Durante longos trabalhos de escavação na cidade britânica de Aylesbury, no condado de Buckinghamshire, especialistas encontraram quatro ovos em uma cesta, que teria sido parte de uma oferenda colocada no que seria um "poço de desejos" durante aquele tempo.

    Com muito esforço, os pesquisadores conseguiram recuperar apenas um ovo inteiro, enquanto os outros três se quebraram "liberando um cheiro muito forte".

    Um dos quatro ovos de galinha romanos encontrados na cidade britânica de Aylesbury
    Um dos quatro ovos de galinha romanos encontrados na cidade britânica de Aylesbury

    Stuart Foreman, chefe das escavações, disse que os ovos encontrados se conservaram intactos ao longo dos anos porque permaneceram no buraco inundado, que também preservou uma "notável coleção de objetos orgânicos".

    Achado único

    "Já encontramos ossos de galinha e cascas de ovos partidos em túmulos romanos no Reino Unido, mas nunca um ovo completo", comentaram os arqueólogos, explicando que os romanos associavam os ovos ao "renascimento e à fertilidade".

    Na área de pesquisa, também foram achados dezenas de moedas, sapatos e algumas ferramentas de madeira.

    Os resultados da descoberta foram resumidos em um livro publicado pela Oxford Archaeology.

    Os arqueólogos acreditam que esse é o "primeiro e único achado" deste tipo no Reino Unido.

    Mais:

    Mulher encontra cápsula de ovo com tubarão vivo em praia da Califórnia (VÍDEO)
    Com jeito, cobra engole ovo maior que sua cabeça (VÍDEO)
    K107: 'ovo de dinossauro' mexicano que salvará de um terremoto (VÍDEOS, FOTOS)
    Tags:
    galinha, escavação, Reino Unido, arqueólogos, bomba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar